gestão eficiente

4 passos para ter uma gestão eficiente de sua obra

Que atire a primeira pedra quem nunca cometeu um deslize (por menor que seja) na hora de desenvolver um projeto. Mesmo ciente de toda a complexidade que exige o início de um empreendimento na construção civil, é preciso que toda a corporação esteja remando na mesma direção, aprendendo com as falhas e evitando amargar prejuízos como desperdício financeiro, perda de credibilidade junto aos clientes (e potenciais novos clientes que poderiam vir a fechar negócio com a sua construtora).

Para não errar mais, listamos quatro passos essenciais que, se não tomados, poderão chegar a resultados que ninguém, desde a diretoria, passando por todas as áreas de negócio, ao time que está atuando no canteiro de obras e, principalmente, os seus clientes deseja. Engajar todas as áreas no cumprimento desses passos pode ser a garantia de prevenir quanto a eventuais sustos que possam comprometer seu planejamento.

1º passo: projeto bem definido

Este é o primeiro passo que não se deve abrir mão. Trata-se de um documento de referência, por meio do qual todos os que participam da obra dentro do empreendimento devem se orientar. É como um roteiro de viagem, mostrando todo o trajeto até chegar ao destino final. Deve-se atentar para que nenhuma medida seja tomada sem que o projeto esteja fechado. Falamos sobre os riscos disso ocorrer em outro post aqui no blog, que vale a pena sua leitura <link #Post Seis recursos que um software de gestão possui para reduzir o desperdício>.

O Instituto Brasileiro de Desenvolvimento da Arquitetura (IBDA) elaborou um estudo que sinaliza que o custo final de um empreendimento da construção civil pode ficar até 6% menor, caso haja um planejamento rigoroso e detalhado. E não dá para pensar em fazê-lo sem considerar o projeto bem desenhado, com o apoio de arquitetos (que elabora o projeto arquitetônico final) e do engenheiro (responsável por desenvolver projetos como estrutural, elétrico e hidrossanitário). A partir daí, você estará mais bem preparado para seguir nas próximas etapas.

2º passo: orçamento rigoroso

Tão importante quanto o passo anterior é este aqui: Orçar, de maneira bem precisa, todos os elementos que compõem a obra, ou seja, materiais, equipamentos, recursos humanos envolvidos e fornecedores contratados. Nesse caso, após fazer um levantamento de todos os requisitos que devem ser orçados, o recomendado é buscar mais de uma fonte para ter ideias claras do preço médio. A partir daí, você terá muito mais propriedade para negociar com todos os envolvidos e obter a melhor relação custo-benefício.

Uma solução tecnológica especializada em construção civil facilita esse processo ao reunir o histórico de outros empreendimentos realizados, e ainda centraliza todos os dados, evitando que o orçamento contemple menos informações do que realmente se necessita. Além disso, ajuda a fazer uma gestão mais eficiente de seu estoque e da logística de insumos comprados, de modo a evitar o desperdício. Pode parecer que tudo o que estamos falando é muito óbvio, no entanto, uma projeção do Instituto Bramante de Arquitetura e Design indica que menos de um terço dos empreendimentos (28%) cumprem o prazo e o orçamento inicialmente definidos.  

3º passo: cronograma, cronograma e mais cronogramas

Você conhece aquela máxima de que aquilo que não se mensura, não se pode gerenciar? Pois bem! O terceiro passo é ter um olhar bem abrangente sobre os cronogramas das obra, traçando o tempo que será investido em cada uma das etapas previstas. Isso ajuda a monitorar se os prazos estipulados estão sendo cumpridos, evitando surpresas no final (como mencionado no item anterior).

Além dessa modalidade, pode-se também estabelecer um cronograma alinhado ao orçamento da obra, para evitar descontrole nas finanças. Nesse caso, o aconselhado é traçar uma planilha que acompanhe a linha do tempo de avanço da obra e o que será gasto na realização de cada uma dessas etapas. Dessa maneira, além de olhar para o prazo, você também não esquece de observar se tudo está dentro dos conformes daquilo que foi orçado anteriormente.

4º passo: foco na segurança dos profissionais

Um dos itens primordiais ao qual todas as construtoras têm olhado com cada vez mais atenção é o planejamento de segurança da equipe de trabalho e dos prestadores de serviços contratados. Nesse caso, o recomendado é identificar os riscos em cada obra e traçar estratégias que visem à prevenção de acidentes. Não dá para fazer isso de maneira correta sem observar a legislação de segurança de trabalho na construção civil.

Além de ser uma segurança aos profissionais, também representa uma atenção da sua empresa às normas que regulam o setor, evitando autuações que possam comprometer o caixa e a credibilidade da construtora. Ao observar esses parâmetros, é importante ainda estabelecer a política quanto ao uso de equipamentos de segurança e modos de acompanhamento se essas regras estão sendo cumpridas.

BÔNUS: fazer tudo isso requer atenção, disposição e organização máxima. Por isso, nossa dica é que sua empresa recorra a sistemas de gestão focados em construção civil, que são capazes de organizar esses processos, integrar as informações, armazenar dados (inclusive de empreendimentos anteriores), contribuindo decisivamente para entregar relatórios precisos, com agilidade, favorecendo a tomada de decisão.

Lendo isso, você talvez se pergunte: “Mas isso existe?” A resposta é: SIM, e com várias opções no mercado. Basta recorrer às soluções tecnológicas mais bem estruturadas, capazes de atender sua obra de começo ao fim!

Continue ligado aqui no blog que nós compartilharemos outras recomendações que o ajudarão nesse sentido. Assim, ao procurar o sistema de gestão ideal para você, estará mais bem preparado para essa escolha! Até o próximo post!

Este post foi escrito por Noventa TI