memorial descritivo

Entenda para que serve o memorial descritivo na construção civil!

Para a construção civil, as empresas e os clientes, o memorial descritivo possui um papel significativo. Além de ser obrigatório — de acordo com a Lei 4.591/64 —, esse documento público é composto por um detalhamento aprofundado de todas as partes do empreendimento imobiliário.

Por estas razões, contar com o memorial descritivo é algo necessário e importante, principalmente sob a ótica do consumidor, deixando todos os envolvidos na obra a par do projeto, além de contar com as possíveis atualizações que poderão ser feitas ao longo da construção.

Já que este é um documento essencial na engenharia civil, hoje vamos buscar entender melhor o conceito de memorial descritivo, explicar como fazê-lo e apontar as facilidades que o documento pode oferecer aos envolvidos. Confira!

O que é o memorial descritivo?

Como dito na introdução, o memorial descritivo é uma etapa anterior à execução da obra: trata-se de um documento público e exigido por lei, que deve ser elaborado como um verdadeiro descritivo detalhado de tudo o que irá compor aquele projeto.

Com ele, a construtora consegue estabelecer um traço de seriedade em sua obra, tendo-a pronta no papel, primeiramente, provando os meios para a viabilidade do empreendimento. É, portanto, um material que fornece mais segurança ao consumidor final.

Especialmente porque as obras são passíveis de atrasos e de outros problemas na entrega. E, com isso, o memorial ajuda a trazer mais confiança na relação entre o cliente e a construtora e a reduzir a resistência criada por casos de entregas prometidas que nunca foram concretizadas, ou ainda fora dos padrões esperados pelos consumidores.

Qual a importância do memorial descritivo?

Além dessa segurança prometida ao consumidor, o memorial descritivo também é uma espécie de “bússola” para a execução da obra. Afinal de contas, por meio dele é que ocorrerá o gerenciamento da execução de obras.

Disponível para consulta, o documento permite que sejam analisados os detalhes do projeto, para que todos possam visualizar como ficará o empreendimento quando finalizado. Vale apontar, inclusive, o desafio que é a elaboração do memorial descritivo, tendo em vista que ele deve seguir todos os padrões de qualidade já exigidos pela indústria e pela ABNT.

Existe relação entre o memorial descritivo e a NBR 15575?

Com base no que vimos acima, o memorial descritivo deve seguir uma série de conceitos e normas estabelecidos no setor de construção civil. Entre eles, as diretrizes estipuladas para garantir conforto, segurança e resistências às obras, e presentes na Norma de Desempenho de Edificações Habitacionais: a NBR 15575.

Em vigor desde julho de 2013, a NBR 15575 assumiu um papel importante na construção civil. Afinal, as construtoras e seus respectivos empreendimentos passaram a encontrar obrigatoriedade na adequação às exigências deste documento.

Na norma constam objetivos, parâmetros mínimos e limites estabelecidos para que a obra se traduza em solidez, conforto e segurança aos proprietários. Isso, claro, a partir de edificações concluídas após a NBR 15575 entrar em vigor — obras anteriores a isso permanecem de acordo com as estipulações até então seguidas pelas construtoras.

Daí a relação íntima com o memorial descritivo: por meio da NBR 15575 as empresas conseguem equilibrar os objetivos de seus projetos de acordo com os parâmetros estabelecidos na norma de desempenho.

Como fazer um memorial descritivo?

Diante da exigência por lei em elaborar o memorial descritivo, é hora de colocar em prática os conhecimentos. Para isso, o documento deverá conter os seguintes tópicos e respectivas informações a respeito do empreendimento:

  •         objeto do projeto imobiliário;
  •         as especificações do empreendimento;
  •         a escritura na qual a obra será executada;
  •         o nome do proprietário;
  •         a localização (o endereço) de onde o projeto ficará alocado;
  •         zona de uso, com detalhamento a respeito da área total a ser construída;
  •         a negativa de débito emitida pela prefeitura, bem como a aprovação para início da obra;
  •         os nomes e respectivos CREA e CAU dos profissionais responsáveis pela obra;
  •         as instalações e devidas proteções para a execução do projeto;
  •         tópicos relativos à movimentação de terra, drenagem, impermeabilização, fundação, estrutura e especificações técnicas do empreendimento;
  •         serviços preliminares;
  •         os tipos de cobertura e de alvenaria utilizados;
  •         descritivo dos vidros, pisos, forros, esquadrias e revestimentos considerados para o projeto;
  •         apontamentos a respeito das instalações elétricas e hidráulicas;
  •         materiais usados para compor os metais, louças e pinturas do empreendimento;
  •         realizações de limpeza e verificação final da obra;
  •         cuidados com relação à ocorrência de incêndios;
  •         baixas decorrentes do projeto;
  •         considerações finais.

Além disso, assim que finalizado, o memorial descritivo deve ser registrado em cartório. Com isso, ele fica disponível para consultas, bastando informar o número de matrícula do imóvel.

A partir da leitura deste tópico, você já conseguiu notar a importância do memorial descritivo? Afinal, ele se traduz como todo o projeto descrito, indicando como deverá ficar após finalizado. Isso permite avaliar, por exemplo, os melhores caminhos para a entrega do produto final, além de otimizar e reduzir os  custos na obra.

Qual é a relevância do memorial descritivo para a construtora e seus clientes?

Com um memorial descritivo em mãos, qualquer pessoa pode atestar algumas questões pertinentes à obra, como:

  •         o cumprimento da construtora com relação às normas técnicas exigidas;
  •         os detalhes referentes aos padrões de qualidade;
  •         as especificações de todo material e equipamento utilizados para compor o projeto;
  •         as marcas usadas de cada material, conferindo qualidade e segurança à obra.

Para as construtoras, é um documento que também funciona como uma verdadeira cartilha. Com ele, o projeto sai do papel e assume, gradativamente, volume e forma no canteiro de obras. Além disso, é uma evidência daquilo que foi acordado com os consumidores.

Ou seja: é um documento cheio de promessas e expectativas do qual eles podem colocar a sua confiança à prova. Cumpri-los significa um desenvolvimento positivo da marca aos olhos do mercado e do seu consumidor.

Inclusive, o memorial descritivo é um documento de evidências para os clientes. Traz conforto, segurança e atesta os direitos que ele terá para exigir ao longo da obra — bem como quando finalizado. Trata-se, portanto, de um documento fundamental para todos os envolvidos.

Quer conhecer mais a respeito da relevância do memorial descritivo, e como as empresas podem elaborá-lo para estabelecer um relacionamento de qualidade com os clientes? Então, entre em contato conosco!

Este post foi escrito por Noventa TI