software livre

Software livre: utilizar ou não utilizar

Atualmente, existe uma ampla variedade de serviços e produtos tecnológicos que são vendidos como verdadeiras soluções para os mais diversos segmentos do mercado — inclusive o de construção civil. Já até falamos a respeito de alguns dos principais softwares do ramo, visando aumentar a produtividade, otimizar processos e agregar mais valor à marca. No entanto, este post se dedicará à explicação sobre o software livre e como ele tem contribuído para que os gestores tomem suas decisões a respeito das melhores soluções para o seu negócio.

Quer descobrir se o software livre pode ajudar ou não você em sua demanda diária? Confira o nosso artigo e inspire-se em nossas dicas!

O que é o software livre?

Quando o assunto é software livre, uma confusão de sinônimos qualitativos se segue ao conceito dessa ferramenta tecnológica, como:

  • Gratuito;
  • Livre;
  • Aberto.

Embora similares, os termos se confundem em uma série de qualificações errôneas a respeito do software livre. A começar pelo software gratuito, que não implica custo algum ao usuário pela sua aquisição. Todos podem usá-lo o quanto quiserem e por tempo indeterminado.

Por sua vez, o software aberto é aquele cujo código-fonte pode ser alterado e editado como os usuários bem quiserem para otimizar a sua plataforma. Muitas empresas que abrigam blog, por exemplo, possuem esse tipo de código, o que permite às pessoas realizarem adaptações e alterações que podem ser usadas por muitas outras também.

Possibilidade ilimitada de instalação em máquinas

Por fim, chegamos ao conceito de software livre — o que nos ajudará a entender por que esses conceitos se misturam constantemente na opinião popular. No caso, o software livre se caracteriza pela possibilidade de poder instalá-lo em quantas máquinas você quiser. Isso significa que o software livre não é adquirido gratuitamente, mas tem algumas características peculiares, como:

  • Possibilidade de redistribuir cópias e instalar em diversas máquinas;
  • Estudar como o programa funciona e adaptá-lo às suas necessidades;
  • Aperfeiçoar o programa e distribuir seus aperfeiçoamentos (para isso, entretanto, é necessário que o seu código-chave seja do tipo aberto).

Ou seja: um software livre pode ser também aberto e gratuito, mas isso não é uma regra. Tudo varia de acordo com as demandas dos consumidores e objetivos dos fabricantes. Mas, agora que o conceito já deve ter ficado claro para você, vamos entender se vale a pena adquirir um software livre ou adquirir um software proprietário.

Software livre ou software proprietário?

Muitas vezes, um software proprietário possui um alto custo de investimento decorrente de licenças de uso, mas isso não significa, necessariamente, que o valor deva ser a única questão colocada sobre a mesa para analisar. Afinal de contas, uma empresa deve prezar pela melhor solução para atender às suas necessidades, objetivos e não a opção mais acessível economicamente — ainda que seja um fator excludente muitas vezes.

Inclusive, existem alguns projetos de lei em andamento por alguns estados e municípios do país, que têm como objetivo fazer com que os governos estaduais e municipais adquiram, preferencialmente, softwares livres para a administração pública. Isso reflete o que acabamos de dizer: o poder público não deveria se limitar em buscar a opção tecnológica mais em conta, mas sim a que melhor atenda à sua demanda produtiva.

Dessa maneira, independente da escolha — entre software livre e proprietário —, a empresa deve se pautar por algumas questões a serem respondidas, antes de se decidir pela melhor solução para o seu negócio. São elas:

  • Quantas cópias desse software eu preciso?
  • Qual é a importância crítica do sistema no funcionamento da minha empresa?
  • Qual é a necessidade (e acessibilidade) de suporte para esse produto?
  • Existem custos de manutenção para que o software atenda às minhas necessidades?
  • Qual é o custo do treinamento para capacitar meus funcionários?

Assim, para cada opção, empresa ou necessidade, existem benefícios em contar com o software prioritário e tantos outros, em busca de uma solução por meio do software livre. Inclusive, algumas dessas vantagens veremos logo a seguir!

Quais são as vantagens em utilizar um software livre?

Caso o software livre tenha atendido às suas exigências, vale se inteirar a respeito de outros benefícios que você pode colher com a sua escolha:

Custo/benefício

Como adiantamos, o software proprietário é um dos custos mais elevados em TI, para uma empresa. Por meio do software livre, é possível encontrar uma solução atrativa, eficiente e que atenda à demanda do seu negócio.

Ou seja: existe a economia significativa no que seria investido em licenças para você se concentrar em adaptar a solução de um software livre para que fique de acordo com a sua rotina. Para se ter uma ideia do quanto se pode economizar, existem licenças de software que podem custar até 70% do valor total gasto no software.

Softwares que custem R$ 1.000, por exemplo, podem ter a sua licença no valor de até R$700, portanto. Isso em uma máquina, apenas, já que a instalação do mesmo software em outra máquina é vista como Pirataria de Software.

Possibilidade de personalização

Como também falamos brevemente, ao conseguir personalizar os softwares livres, você tem em mãos uma solução tecnológica adaptável ao que você precisar. Com liberdade para ajustar o programa, você torna o seu negócio muito mais otimizado, ágil e responsivo à demanda do dia a dia.

Segurança

Algo interessante nos softwares livres é a sua possibilidade de customização contínua e da aproximação que essas melhorias trazem aos usuários. Assim, forma-se uma comunidade focada em trabalhar mais em melhores resultados de utilização e, principalmente, de segurança. Dessa maneira, mais usuários podem compartilhar as suas descobertas, garantindo que o software livre, em questão, seja mais versátil e seguro para todos utilizarem.

Fiscalização

Softwares livres também se destacam por não disporem da mesma quantidade de burocracia que envolve um software proprietário, por exemplo. Com isso, corre-se menos riscos de utilizar o produto da maneira errada — deliberadamente ou não —, o que evita problemas diversos. Esses problemas podem ir desde conflitos com a lei (como a já citada de pirataria) a outros entraves com os produtores do software.

Deu para entender um pouco mais sobre o que é software livre, como ele se diferencia dos outros tipos de software (gratuito e aberto) e quais são as vantagens em optar por ele? Caso queira saber um pouco mais sobre o software livre ou mesmo tirar novas dúvidas sobre o assunto, compartilhe a sua opinião no campo de comentários deste post!

Este post foi escrito por Noventa TI