Skip to content

Categoria: Blog

Curva S: jeito simples para acompanhar projetos de engenharia

Curva S

A curva em S, ou simplesmente curva S, como também é conhecida, é uma maneira muito eficiente de apresentar informações gerenciais para o acompanhamento de projetos. A sua representação gráfica permite o claro contraste entre aquilo que foi planejado em comparação com o que foi realizado.

Confira um exemplo de curva normal da estatística, gerada pelo Excel:

Curva S 1

A Curva S é um gráfico que mostra, mês a mês, o percentual da obra que será executado. Tem este nome porque se o gráfico mostrar os percentuais acumulados, terá o formato de um “S”. Se o gráfico exibir os percentuais mensais, terá a forma da curva de Gauss, ou curva Normal.

O nome dessa ferramenta está relacionado à regularidade do desembolso financeiro (custos) e realização física (trabalho). Isso porque é normal que o início do projeto tenha o mínimo de desempenho e avanço físico, que vão ascendendo e se estabilizando de acordo com a evolução das atividades. Daí, aparece o formato de ‘’S’’.

Confira abaixo:

Curva S

Diferenças entre Planejado e Realizado

O primeiro passo na construção de um gráfico em curva S é estabelecer a linha de base que deve ser guardada em segredo, para que o projeto não fique inviável de comparação entre tudo o que foi planejado com o que foi realizado.

Realizado

Trata das informações do desembolso financeiro e do trabalho que foi realizado no projeto. Independentemente da organização ser mensal, trimestral ou semestral, é fundamental que a linha de base do projeto permaneça preservada.

Curva S: Planejado X Realizado

Agora que o planejamento de custos e trabalho foi preservado e que o desembolso financeiro e a realização física são conhecidos, basta que essas informações sejam organizadas para a plotagem do gráfico da curva em S. Embora possa ser realizada em diferentes períodos, em geral, a comparação é feita mensalmente.

Para Pio Soares, a vantagem em utilizar o 90 Compor Orçamento para gerar o gráfico, é que não é preciso digitar os percentuais mensais nem importá-los de uma planilha.

Basta informar a data inicial da obra e o número de meses previstos. O 90 Compor Orçamento gera automaticamente os percentuais mensais do planejamento da obra. Ou seja, ele cria o cronograma físico-financeiro, que poderá ser utilizado para calcular o desembolso mensal, previsão de receita, consumo de materiais, etc.

A Curva de Gauss gerada pelo 90 Compor Orçamento:

Curva S 3

Curva S na Construção Civil

Na construção Civil, a curva S tem um papel importante na gestão de obras, por ser uma ferramenta de fácil interpretação para engenheiros e arquitetos.

Na gestão de obras, a sua utilização permite que gestores afirmem se uma obra está adiantada ou atrasada em termos de cronograma apenas analisando a linha de base e a porcentagem executada e acumulada.

Outro ponto importante sobre a curva S na construção civil, é a ponderação das atividades no cronograma ao elaborar a curva. Ela é usada para mostrar o peso de uma atividade: se lenta ou rápida.

A utilização da curva S proporciona maior controle sobre o andamento da obra, pois:

⦁ verifica o que já foi realizado;
⦁ analisa o que ainda está em execução;
⦁ mostra como todas essas informações impactam no cronograma.

O monitoramento da curva S na construção civil é fundamental para o sucesso do projeto. E para otimizar o tempo e erros, nada melhor do que utilizar a curva S do 90 Compor Orçamento. Só preencher com seus dados e sua demonstração gratuita será agendada!

Por que utilizar a Contabilidade para construção civil e construtoras?

contabilidade para construção civil

Veja quais são os diferenciais da contabilidade para construção civil em relação a outros tipos de contabilidade

A construção civil segue sendo um dos setores mais fortes do país, principalmente quando olhamos para dois fatores: o impulso que gera na economia e o nível de empregabilidade. Mas, ao mesmo tempo em que as empresas do setor crescem, elas enfrentam desafios ainda maiores. Um deles está relacionado com a contabilidade para construção civil e construtoras.

Sabia que não olhar para isso diretamente pode acabar gerando inúmeras perdas e até quebrar a empresa? É que a partir da contabilidade surgem oportunidades de:

  • Controlar os custos de produção;
  • Entender as oportunidades de redução da carga tributária;
  • Gerenciar melhor as contratações de profissionais e fornecedores;
  • Reduzir os riscos da operação.

Que tal alcançar essas e outras oportunidades? Aqui vamos apresentar esses desafios, explicando como a contabilidade para construção civil cumpre com um papel estratégico para esse setor.

Diferenças da contabilidade para construção civil com os demais segmentos

A contabilidade para o setor de construção é mais complexa do que para a maioria das empresas devido à natureza da obra, os preços por projeto, os custos operacionais – que mudam com frequência – e muito mais.

As construtoras precisam ser capazes de rastrear e relatar despesas, licitar projetos, gerenciar a folha de pagamento e uma série de outras responsabilidades contábeis. 

É por isso que listamos abaixo as principais maneiras que a contabilidade para construção civil difere de outros tipos de contabilidade.

Trabalho baseado em projetos

As construtoras trabalham de projeto para projeto, e normalmente gerenciam vários deles ao mesmo tempo. Mas existe um detalhe importante: os projetos não são necessariamente pagos assim que são concluídos.

Pode haver um depósito inicial para começar o trabalho, porém, o projeto geralmente é pago integralmente durante ou no final da entrega. Isso significa que pode levar meses ou anos até que a fatura final seja liquidada.

Por esses motivos, as construtoras podem precisar gerar declarações de lucros e perdas separadas para cada projeto ou período, pensando no cálculo de faturamento e impostos. 

Essa é uma responsabilidade importante, que leva em conta diferentes legislações. Nesse caso, contar com profissionais especializados em contabilidade para construtoras é essencial.

Diferentes modalidades de vendas

As empresas de outros segmentos, como o varejo por exemplo, geralmente oferecem no máximo 3 modalidades de vendas diferentes para os seus produtos ou serviços. Já nas empresas de construção civil, existe uma ampla gama de serviços que podem ser comercializados no contrato dos projetos.

Isso pode incluir não só o trabalho de serviço de construção, mas também os serviços de design, engenharia, fornecimento de materiais e muito mais.

Na prática, isso pode dificultar o rastreamento das despesas e o cálculo correto do lucro gerado por cada categoria de serviço. É por isso que a melhor opção é repassar tudo para uma equipe de contabilidade.

Contratos de longo prazo

Sua empresa pode gerenciar contratos de curto e longo prazo, geralmente com datas de término variáveis.

Para manter o controle do fluxo de caixa e dos seus livros de controle financeiro, é preciso contar com uma organização impecável, correndo o risco de se sujeitar a cobranças indevidas.

Como a contabilidade para construção civil pode apoiar de forma estratégica?

Entendendo essas diferenças, fica mais fácil encontrar as ações que a contabilidade para construção civil pode executar com o intuito de apoiar as empresas de forma estratégica.

Destacamos aqui 3 dessas ações:

1. Determinar o custo do trabalho

O custo do trabalho é um método para alocar despesas e receitas para cada trabalho específico. Isso não apenas o ajudará a se preparar para a hora de calcular os impostos, mas também fornecerá uma visão precisa da lucratividade de cada contrato.

Basicamente, essa ação garante que o preço do serviço cobre todas as despesas gerais, ao mesmo tempo que garante que haja lucro.

O custo do trabalho é calculado determinando o custo da mão de obra, materiais e despesas gerais em uma obra específica:

Custo total da obra = Materiais + Mão de obra + Despesas gerais

2. Controle as despesas de negócios

Você também vai precisar da contabilidade para controlar suas despesas. Isso inclui folha de pagamento, taxas de subcontratados, aluguel de equipamentos e compras de materiais.

É preciso categorizar essas despesas por serviço e por trabalho individual para que possa controlar facilmente quanto dinheiro entrou e quanto você gastou nas despesas.

Usar um sistema de controle e salvar seus recibos pode ajudá-lo a controlar todas as suas despesas, mas apenas com a contabilidade conseguirá ter visão sobre os custos com impostos, por exemplo.

As despesas mais comuns das empresas do setor de construção incluem:

  • Registro e licenciamento de obras;
  • Taxas bancárias;
  • Ferramentas e equipamentos;
  • Taxas de filiação de sindicatos e associações;
  • Seguros;
  • Pagamentos de locação;
  • Equipamentos de segurança e uniformes;
  • Folha de pagamento dos colaboradores;
  • Custos de Marketing;
  • entre outros.

3. Conciliar as declarações bancárias e fiscais

A cada mês, é preciso manter um registro de suas receitas e despesas. Em seguida, você deve conciliar suas transações para garantir que correspondam ao seu próprio sistema de contabilidade. As faturas e pagamentos devem estar de acordo com as movimentações bancárias.

Essa conciliação de suas transações envolve:

  • Comparação dos seus registros bancários com seus recibos de despesas;
  • Comparando todas as transações com o que você tem em suas receitas;
  • Gerenciar relatórios bancários com todas as movimentações.

Essa é mais uma ação estratégica que ajuda a ter visibilidade a longo prazo, identificando oportunidades de economia e investimentos.

Utilize um software de gestão integrada

Usar modelos de acompanhamento impressos ou planilhas de Excel só irão ajudar no controle contábil e da operação até certo ponto. Se você realmente deseja dominar sua contabilidade no setor de construção civil e evitar contratempos, você também deve olhar para um software de gestão.

Contar com o ERP, ou software de gestão integrada, é o caminho mais ágil entre o conhecimento da informação organizada em dados e a tomada de decisão. O seu uso torna mais fácil para sua empresa rastrear despesas, monitorar o status dos pagamentos, gerar relatórios financeiros e muito mais.

Com uma só solução, é possível gerenciar a operação de forma eficiente e detalhada, facilitando ainda mais o trabalho da contabilidade para construção civil. Com a solução certa, você consegue gerenciar:

  • Movimentações financeiras;
  • Controladoria;
  • Faturamento;
  • Compras e materiais;
  • Cumprimento das obrigações fiscais e contábeis, com apuração dos impostos.

O software oferece uma maneira segura e conveniente de integrar tudo que vimos até aqui. Além disso, você terá todas as ferramentas de que precisa para apoiar sua contabilidade e tomar decisões financeiras mais inteligentes.

Então, que tal começar na prática? Conheça agora os detalhes do 90 Compor ERP e entre em contato com o nosso time!

10 Vantagens do 90 Compor Orçamento em relação ao Excel

90 Compor Orçamento

Confira porque o 90 Compor Orçamento é mais completo na hora de planejar e orçar suas obras. Excel é coisa do passado?

Muitos engenheiros ainda usam o Excel para orçar e planejar suas obras. Para muitos profissionais, as planilhas do software são uma ótima ferramenta para coletar e transformar pequenas quantidades de dados. Mas, será que ele é completo mesmo?

Para começar a utilizar o Excel, o engenheiro precisa conhecer pelo menos 6 fórmulas:

  • Max e Min: = MAX (F1: F10)
  • Soma e Média: = SOMA (L1: L10)
  • Instruções SE (IF): = SE (B1 > B2, “bom” , “ruim”)
  • Somase, Count.Se, Mediase: = função (intervalo, critérios, faixa de função). = SOMA (D1: D10, “bom” , L1:L9).
  • Concatenação: = CONCAT (C1 , “”, M2)
  • E (And): = E (G1 = ” BOM ” , H2 > 5)

Muita informação pra guardar, não é?

Nos últimos anos, os engenheiros perceberam que o Excel tem algumas limitações, como as planilhas não possuírem controle de erros, escalabilidade problemática, etc. Por este motivo, começaram a buscar novos softwares de orçamento para otimizar seu trabalho e tempo.

Uma parte dessas pessoas encontraram no 90 Compor Orçamento e Planejamento de Obras uma ferramenta de qualidade e eficiência para produzir os seus orçamentos e relatórios.

O 90 Compor Orçamento e Planejamento de Obras foi desenvolvido para lidar com um gigantesco volume de dados. É responsável por fazer atualizações online sobre os valores que fazem parte do orçamento das obras, como as licitações, por exemplo.

Para a diretora da 90TI, Daniele Alpino, ao utilizar o sistema da empresa o engenheiro tem acesso aos bancos de dados, com valores e preços de insumo, e isso facilita o trabalho pois reduz os prazos e custos das obras.

Mas, afinal, quais são as vantagens do 90 Compor Orçamento em relação ao Excel? Confira 10 pontos essenciais:

  1. Assertividade e segurança nos cálculos: no Excel você pode esquecer de fazer uma autosoma e ter valores errados. Na solução da 90TI, não há esse risco;
  2. Planilhas disponíveis e editáveis em ferramenta WEB (similar ao conhecido Excel) e que facilitam e agilizam a elaboração do orçamento;
  3. Base de dados de referência atualizadas: o Excel não tem um banco de dados do Sinap, o 90 Compor Orçamento sim;
  4. Facilidade na composição de preços unitários: alguns itens, o engenheiro cria composições (ex: levantar uma parede) quando vai fazer um orçamento, calcula o custo de cada serviço;
  5. Rapidez no reajuste de preços e ajuste do preço final;
  6. Relatórios de órgãos públicos e gerador de relatórios;
  7. Integração simples com o acompanhamento através do ERP;
  8. Caso sua planilha já esteja em Excel, é possível reduzir significativamente o seu tempo. O 90 Compor Orçamento e Planejamento permite que uma planilha seja criada a partir de uma simples importação do Excel.
  9. Preço de custo de Serviços e Insumos sempre atualizados em conformidade com os principais Órgãos Públicos.
  10. Integração com a tecnologia BIM (Building Information Modeling – Modelagem de Informações da Construção), com plugin integrado ao Revit para atualização online dos quantitativos do orçamento.

O 90 Compor Orçamento conta com versões pagas e uma gratuita para quem deseja testar as funções do programa por um tempo determinado. Para saber mais, acesse: https://noventa.com.br/90compor/

Chegou a hora de trocar o ERP da sua empresa?

trocar ERP

O que todo gestor precisa saber antes de trocar o ERP por outro sistema

Um sistema ERP é fundamental para tornar a sua empresa mais inteligente, produtiva e reduzir erros operacionais. Leia este conteúdo e saiba o que considerar antes de escolher um novo.

Toda empresa sabe da importância de ter um ERP (sistema integrado de gestão empresarial), e muitas são bem resistentes em trocá-lo, mesmo que ele não apresente os resultados que deveria. O ERP é uma ferramenta de gestão que conecta e organiza os setores de uma empresa, deixando-a mais eficiente e com as operações mais dinâmicas.

Desta maneira, todas as atividades e relatórios dos setores de estoque, vendas, finanças e recursos humanos são automatizados, proporcionando uma maior produtividade, segurança e redução de custos.

Um ERP adequado deve agilizar os processos, economizar o tempo dos colaboradores que fazem uso dele e facilitar a execução das tarefas.

Se o sistema não permite que você reduza o seu custo operacional e minimize os desperdícios, talvez seja a hora de repensar trocar o ERP da sua empresa.

Então, se está pensando em trocar o seu sistema de gestão, saiba quais pontos você deve considerar, como um ERP ajuda a sua empresa na prática e os principais benefícios dele.

Como funciona um ERP para construção civil?

Na prática, o ERP para construção civil contribui para a administração da empresa visto que é possível acompanhar todos os setores dentro da mesma plataforma.

Os sistemas ERP são projetados para gerenciar e integrar todos os vários aspectos das operações de uma empresa. Eles coletam dados de diferentes partes da organização, como vendas, marketing, contabilidade e produção, e os apresentam em uma visão unificada. Isso permite que os gerentes vejam o desempenho das diferentes áreas da empresa e identifiquem maneiras de melhorar a eficiência e a lucratividade.

A maioria dos sistemas ERP consiste em três componentes principais:

  • banco de dados central que armazena todos os dados coletados de toda a organização;
  • módulos de software que permitem que os funcionários acessem os dados e realizem tarefas específicas de sua função;
  • interface de usuário que fornece uma visão gráfica dos dados para os gerentes.

 

Por que contratar um sistema ERP: Conheça as principais vantagens

Confira abaixo as vantagens de um software de gestão integrada para a sua empresa:

1 – Assertividade nas tomadas de decisão

O sistema ERP é alimentado e integra dados sobre diferentes áreas de um projeto. Com isso, é possível ter controle sobre as informações úteis e monitorá-las em tempo real.

Isso facilita as análises sobre processos, departamentos, como estoque de materiais, compras, dentre outros e garante que tomadas de decisão sejam tomadas com mais rapidez e assertividade, visto que elas são baseadas em dados.

2 – Redução de custos 

Qual projeto de construção civil não tem o desejo de reduzir custos e garantir a qualidade e segurança da obra, não é mesmo?

É possível usar a ferramenta para gerenciar todos os aspectos que envolvem o projeto e reduzir o uso de sistemas para cada pilar, visto que os dados estarão integrados.

3 – Segurança das informações

O software de manutenção de obra pode ser usado na nuvem de forma online, remota e por meio de acesso privado. Isso garante a segurança das informações da empresa à medida em que elas podem ser checadas facilmente.

4 – Flexibilidade

Como mencionado brevemente acima, um software ERP atual pode ser acessado online por dispositivos como smartphone, tablet ou computador. 

Isso dá autonomia ao gestor, que não precisa necessariamente estar in loco para acompanhar o desenvolvimento do projeto.

Dicas para saber o período ideal para troca do seu sistema gerencial

No geral, empresas têm a necessidade escolher um ERP novo quando:

1 – Seu ERP é modular 

O ERP modular exige muito tempo dos colaboradores para execução dos processos na plataforma e acaba impactando negativamente na produtividade e resultados da empresa.

2 – Não tem a opção de personalizar

Se os usuários não conseguem personalizar seus dashboards de acordo com as próprias necessidades, é hora de considerar uma troca e procurar um sistema que se adeque às suas necessidades operacionais diárias.

3 – Não tem um bom relacionamento com o fornecedor

Se você tem dificuldade de lidar com a ferramenta e não recebe a devida consultoria por parte dos fornecedores, é preciso repensar sua escolha.

Isso porque isso foge do objetivo do software que é proporcionar mais autonomia, praticidade e assertividade aos gestores.

4 – Processos continuam iguais

Se desde o dia em que você escolheu o ERP os processos operacionais da empresa não demonstraram melhoria contínua, troque imediatamente.

Na prática, isso significa que o sistema não se mostrou eficiente em relação à sua realidade.

 

Quais são os principais desafios na hora de trocar o software de gestão integrada?

Para Daniele Alpino, diretora executiva da 90Ti, a resistência da equipe a mudanças e a adaptação aos novos processos atrapalha. “Quando existe uma troca de um sistema integrado, a forma como uma área trabalha afeta o trabalho da outra e pode gerar muito conflito. Muitas vezes, quando vamos fazer essa mudança, o usuário está focado em resolver somente o problema dele e não se preocupa com o que pode afetar mais à frente no seu setor e na empresa”, afirma.

Confira alguns desafios recorrentes:

  • resistência a mudanças de processos;
  • dificuldade de transição de um software para outro;
  • comprometimento da diretoria, gestores e funcionários;
  • disciplina para entrega das atividades no prazo.

 

Conheça o 90 compor ERP e eleve o nível da sua gestão

O 90 Compor ERP é um software integrado, feito especialmente para o setor de engenharia e atende tanto o back office (financeiro, suprimentos fiscal, contábil), quanto a parte vertical de engenharia como: gestão de obras, gestão de sub empreiteiro, gestão de contratos administrativos, a parte de orçamento e planejamento de obras e parte manutenção de equipamentos e patrimônios. O sistema atende tanto a parte back office, quanto a parte especializada da engenharia.

O sistema 90 Compor ERP faz parte da solução 90ti que também é composta pelos sistemas 90 Compor Orçamento e Planejamento de Obras e 90 Compor manutenção de equipamentos.

Ele possui os módulos de Gestão de Obras, Suprimentos, Financeiro, Controladoria, Contábil, Fiscal, Incorporação, BI (Business Inteligence) e Mobile (Aplicativo para Celular) e trabalha de forma integrada com as soluções 90TI.

 

Diferenciais do 90 Compor para a sua empresa

O maior diferencial do 90 Compor está justamente na forma em que ele foi estruturado!

O grande deste ERP é que ele foi feito para engenharia por uma empresa especializada em engenharia com reconhecimento nacional no desenvolvimento de softwares de diversas vertentes no segmento. 

A equipe que desenvolveu o sistema foi formada por engenheiros e traz essa proximidade maior entre o TI e esses colaboradores. Ou seja, nós sabemos o que você precisa e trazemos soluções personalizadas.

Tudo isso com uma multidisciplinar formada por engenheiros, contadores, analistas de negócio, administradores, desenvolvedores de softwares e analistas de testes

Além disso, somos referência em softwares de orçamento em todo o Brasil com mais 3 mil clientes e mais de 5 mil acessos ao 90 Compor ERP.

Pronto para dar o próximo passo? Entre em contato com a 90TI e saiba mais sobre o nosso ERP! 

 

10 dicas práticas para a proteção de dados em sua empresa

10 dicas proteção de dados

Os incidentes de segurança que aconteceram nos últimos anos nos mostrou a importância em desenvolver políticas de proteção de dados na empresa. Mas com a adoção da cloud computing é possível reduzir os riscos e minimizar os impactos quando ocorrem ataques virtuais.

O desafio da proteção de dados já faz parte das prioridades da computação em nuvem, isso não é uma novidade, mas vale destacar que com base em todos os recursos, políticas e princípios oferecidos pela cloud computing é possível garantir a proteção de dados da empresa.

A proteção de dados através dos recursos de Cloud Computing

Na lista de dicas abaixo, você pode observar que investir em proteção de dados não se restringe apenas em ativos de segurança, consiste em uma mudança de paradigma e conscientização. Todos os recursos estão disponíveis, é preciso apenas adotar com eficiência.

  1. Backup e recuperação será sua linha de defesa. E por isso, invista na infraestrutura, procedimentos e políticas eficientes.
  2. Fornecedores precisam se adaptar aos ataques de ransomware. Adote ferramentas com recursos necessários para prevenção.
  3. Conscientização ainda é o melhor remédio. Crie políticas e processos de segurança e explique os benefícios em adotá-los.
  4. Gestão eficiente é ferramenta para a proteção dos dados. Administradores de TI devem ter conhecimento das mudanças que ocorrem e devem fazer o controle efetivo.
  5. É preciso ter certeza que tudo funciona. Por isso, em sua estratégia de proteção de dados deve existir testes que verifiquem os procedimentos de backup e recuperação e a integridade do dados.
  6. Performance indica em quanto tempo as operações da empresa serão restabelecidas. Verifique os indicadores de desempenho para verificar em quanto tempo é possível retornar as operações.
  7. Certificação e conformidade fazem parte das boas práticas. Buscar certificar seu ambiente de TI é aplicar as boas experiências por quem já passou por erros e acertos.
  8. Ajuda no momento de dificuldade. Tenha um suporte alinhado e capacitado para a estratégia de proteção de dados da empresa.
  9. Adotar tecnologia de ponta é essencial para ter sucesso na estratégia. Ao migrar para a nuvem, a empresa tem acesso a uma infraestrutura de TI atual e integrada com a inovação. Isso inclui questões ligadas a segurança e alta disponibilidade.
  10. Os ataques vão acontecer, isso é fato. Adotar as melhores práticas para garantir a proteção de dados não é a certeza de impedir os incidentes de segurança, mas é possível prevenir e estar preparado quando eles acontecerem.

Torne a proteção de dados uma prioridade em sua empresa, em um primeiro momento pode parecer um grande desafio, mas a realidade é diferente, com a cloud computing tudo fica mais fácil, é preciso apenas tomar as iniciativas corretas.

Continue em nosso blog caso ainda tenha dúvidas, entre em contato com nossa equipe e não deixe de nos acompanhar nas redes sociais.

Conteúdo retirado do blog da Sky.One.

 

Por que é importante fazer a análise de óleo dos equipamentos?

análise de óleo

Rotina de análise de óleo é primordial para manter a qualidade do maquinário em um canteiro de obras

Para manter seus equipamentos em dia, é preciso fazer a manutenção preditiva da análise de óleo. Por meio dela, é possível monitorar e avaliar as condições dos fluidos e dos equipamentos. Dessa forma, você melhora o desempenho e a confiabilidade dos ativos.

O que é manutenção preditiva?

É o acompanhamento periódico dos equipamentos ou máquinas, através de dados coletados por meio de monitoramentos ou inspeções. Com essa manutenção, é possível avaliar o tempo útil das máquinas e equipamentos e as condições para um melhor aproveitamento posterior.

Com a manutenção preditiva, é possível se antecipar à necessidade de desmontagem desnecessária do equipamento, além de reduzir as paradas de emergências e prolongar a vida útil deles.

O que é análise de óleo?

A análise de óleo permite que você melhore seu desempenho e a confiabilidade dos ativos por meio da identificação dos problemas antes que eles se tornem falhas.

Ao utilizar a análise de óleo, as empresas ganham muito com a ampliação da vida útil dos componentes, redução dos gastos com materiais de reposição, troca de óleo desnecessárias e a utilização de mão de obra em manutenções que não foram programadas.

Surgimento da análise de óleo

A análise de óleo como rotina de manutenção começou a ser aplicada na década de 50. A crise do petróleo intensificou a sua utilização, que passou a ser uma nova alternativa das empresas para avaliar as condições dos lubrificantes de suas máquinas e equipamentos.

Atualmente, com leis ambientais mais rigorosas, as medidas de manutenção relacionadas à utilização de óleo nas indústrias se tornaram mais duras, com implementação de estações de tratamento e métodos de descarte com reaproveitamento dos lubrificantes.

Como é feita essa análise?

Primeiro é preciso decidir em qual máquina será feito o procedimento de maneira periódica. Em seguida, é avaliado qual o material será utilizado para a coleta dos fluidos, assim como um relatório indicando os melhores procedimentos para correção. Quanto mais rápido for a coleta e a entrega do resultado melhor para a eficiência do estudo.

Existem quatro tipos de análise de óleo: físico-química, análise de contaminações, espectrometria e ferrografia.

Confira abaixo a explicação de cada uma delas:

  1. Análise físico-química: avalia as condições dos lubrificantes. É avaliado o teste de cores e de densidade, verificando possíveis mudanças na composição.
  2. Análise de contaminações: identifica a presença de substâncias que podem contaminar o sistema, como: água, poeira, partículas oriundas do desgaste, ar, etc.  O óleo pode ser contaminado por causa do desgaste do equipamento ou por reações químicas do lubrificante.
  3. Espectrometria: identifica a composição elementar das partículas nas amostras, já que o óleo passa por um processo de combustão e é desintegrado até o nível atômico. Esta análise é importante para obter informações mais precisas sobre desgastes, contaminações e identificar os aditivos.
  4. Ferrografia: avalia o desgaste dos elementos de um equipamento através da quantificação e da observação de partículas em suspensão presentes no óleo. Essa análise pode ser feita em três tipos de fluidos: diese, hidráulico e lubrificante.

Os benefícios da análise de óleo são: redução de custos com manutenção e estoque; antecipação de situações de riscos de falhas dos equipamentos; programação de intervenções e manutenções de peças e evitar paradas desnecessárias.

Para fazer uma coleta de óleo para análise é necessário que as amostras sejam armazenadas em seringas ou frascos de vidros. Devem ser preenchidas, etiquetadas e anexadas ao recipiente de coleta. O recolhimento não é indicado para dias com a umidade relativa do ar superior a 70%, nem em períodos noturnos.

Quais são as vantagens da análise de óleo para a construção?

Os equipamentos utilizados nos setores da construção podem ter sua vida útil estendida por meio de ações de manutenção preditiva com foco na análise de óleo. É de suma importância verificar a qualidade dos óleos utilizados nos equipamentos, pois isso permite identificar problemas antes que tornem-se graves.

A análise de óleo possibilita saber das condições físicas e químicas dos lubrificantes, sendo praticamente a única ferramenta que permite apontar falhas prematuras nos equipamentos. Consequentemente, isso gera uma redução de custos com manutenção.

A manutenção preditiva por meio da análise de óleo lubrificante demonstra que é possível potencializar o desempenho, a confiabilidade e a disponibilidade física dos equipamentos, identificando problemas, antes que os mesmos se tornem falhas.

Uma boa maneira de otimizar o tempo, economizar dinheiro e ter uma entrega assertiva é utilizar o 90 Compor Manutenção de Equipamentos. Com ele, você tem resultados eficientes sem gastos inesperados. Uma solução que permite ao gestor um controle efetivo da manutenção. Entre em contato com a gente e utilize já a melhor solução do mercado!

Como o 90 Compor ERP ajuda a reduzir os custos da sua obra?

90 Compor ERP

Confira dicas sobre como o 90 Compor ERP pode auxiliar você a gastar menos no seu canteiro de obras

Reduzir o custo operacional de uma empresa pode ser uma prática para melhorar as margens de lucro, minimizar os desperdícios, assegurar que o capital seja o suficiente para manter as operações e, com isso, alcançar resultados positivos.

Para alguns gestores, diminuir os custos e manter a qualidade dos serviços é uma questão desafiadora. A tecnologia é uma grande aliada nesse processo,- juntamente com o sistema ERP (Enterprise Resource Planning – Planejamento de Recursos Empresariais).

Mas o que é ERP?

O ERP é uma ferramenta de gestão que conecta e organiza os setores de uma empresa, deixando-a mais eficiente e com as operações mais dinâmicas.

Desta maneira, todas as atividades e relatórios do setor de estoque, vendas, finanças e recursos humanos são automatizados, proporcionando uma maior produtividade, segurança e redução de custos.

Com ele é possível reunir todas as informações em um único local: assim, fica mais fácil gerir os processos, identificar os problemas e definir os objetivos para alcançar as metas de cada setor.

Como reduzir o custo operacional com o sistema ERP?

Principais benefícios de ter o sistema em sua empresa: aumento da agilidade, gestão dos suprimentos, administração dos pagamentos, controle de estoque e informações em tempo real.

Qual sistema ERP é adequado para sua empresa?

Antes de adquirir um sistema ERP, você precisa avaliar alguns aspectos, como: ferramentas que permitam a integração aos outros softwares, agilizando a fiscalização dos processos; tecnologia de ponta; utilização de tecnologia em nuvem e a reputação da empresa que forneceu o sistema.

Com o 90 Compor ERP você tem tudo isso e muito mais!

Como trabalhar utilizando o 90 Compor ERP?

Primeiramente, os analistas procuram ouvir o cliente para entender as dificuldades que enfrenta nos processos internos de sua empresa e, a partir disso, a 90TI desenha uma solução específica para cada empresa e cliente de forma consultiva.

Segundo Michele Melo Franco, funcionária do setor comercial da 90TI, a venda é feita de forma 100% consultiva. É necessário colher o máximo de informações possíveis com o cliente, desde os processos atuais até a expectativa que ele possui do sistema 90 Compor ERP. Após a consulta com o setor comercial, o processo é transferido para a gerente de projetos da 90TI, que cria juntamente com o cliente um cronograma de implantação do sistema 90Compor ERP e junto a equipe que utilizará os sistema.

Esse momento é de suma importância porque exige do cliente uma dedicação para melhorar os processos internos de sua empresa.

O 90 Compor ERP ajuda a diminuir os custos de uma obra, a partir do momento que você tem o controle total de todas as etapas. Desde o planejamento até a execução. Em tempo real, você saberá quanto custará a obra, tempo e à medida que a obra começa a acontecer, o cliente tem controle exato do que você compra está de acordo com o que tinha orçado, quantidade está de acordo com o que planejou, se a produção está de acordo em termos de avanço físico.

Com a utilização do sistema de gestão 90Compor ERP, a construtora tem a noção geral de onde tem um problema na execução de sua obra, onde estão acontecendo os atrasos e os desperdícios.

Como o 90 Compor ERP é diferente dos outros sistemas de gestão?

o 90 Compor ERP integra todos os módulos de diferentes setores dentro do mesmo sistema. Um exemplo: Quando você lança uma obra e registra uma produção, ele já compara se o que você está produzindo está de acordo com o que você tinha previsto em determinado período. Assim, o engenheiro tem um comparativo do previsto e do realizado, tanto em termos de avanço quanto em termos de gastos.

Por ser uma solução totalmente integrada, com todos os módulos dentro do mesmo sistema, o engenheiro evita erros, pois o 90Compor ERP confere se o que está sendo requisitado no setor de compras está de acordo com o que foi orçado e planejado. Uma vez feito um pedido de compras, já está fica previsto na aba do financeiro. Isso evita o retrabalho, economiza tempo, reduz erros de lançamento, etc. O engenheiro conseugue uma economia de tempo e dinheiro para a construtora.

O 90 Compor ERP é um sistema Cloud com dupla camada de segurança, ou seja, os dados só trafegam criptografados, com backup diário e utilização de nuvem da AWS. Este sistema permite a utilização de múltiplos usuários sem diminuição da velocidade do sistema. O gestor também consegue controlar de maneira individual mais de uma empresa do mesmo grupo e no BI (Business Inteligence), faz análise consolidada do grupo e muito mais.

O fato do 90 Compor ERP ser desenhado especificamente para o mercado da engenharia, tem um diferencial para a 90TI, porque foi um sistema desenvolvido para atender os engenheiros.

Como usar o 90 Compor ERP?

Antigamente, só as empresas que tinham maior capital de investimento que conseguiam ter essa tecnologia. De uns anos pra cá, a forma como a 90TI oferece os produtos vem mudando e eles passaram a ser oferecidos como serviços.

Hoje, empresas de todos os portes têm acesso à tecnologia e a sistemas como o 90 Compor ERP. Um produto de alta qualidade e valor agregado. Hoje, o cliente pode fazer uma assinatura do 90 Compor ERP e usar o sistema em nuvem, sem precisar de uma infraestrutura para suportar a tecnologia. E com a assinatura, ele tem tanto a disponibilização do sistema, como a manutenção e o suporte com todas as atualizações automáticas.

Com a nova lei de proteção de dados, é importante que toda a empresa se resguarde com a proteção dos seus dados e de seus clientes. Ao utilizar o 90 Compor ERP, sistema Cloud, e totalmente protegido através de múltiplas interfaces, o cliente tem a garantia que seus dados estão resguardados e se, por ventura, necessitar voltar ao backup, tem essa disponibilidade, pois eles são feitos diariamente.

E como é feito o pós-venda do 90 Compor ERP?

Outro grande diferencial da 90TI é o acompanhamento que ela faz junto aos seus clientes. A 90TI tem uma equipe própria de sucesso ao cliente, onde consultores os acompanham no dia-a-dia, dando suporte, apoio e alguma modificação dentro do escopo que eles possuem do sistema.

Afinal, o que faz um Gerente de Licitação? Confira a resposta neste conteúdo!

gerente de licitação

Você saberia dizer quais as funções de um Gerente de Licitação? Confira, neste conteúdo, as atribuições desse profissional!

Na construção civil, muitas obras passam por um processo denominado licitação para serem realizadas. Uma licitação é um procedimento dentro do âmbito da administração pública que analisa propostas de produto ou serviço. Ao final do processo, é escolhida qual empresa será contratada para construir a obra. Quem guia este processo é o Gerente de Licitação.

Ele, em conjunto com a equipe técnica, escolhe qual é a proposta mais vantajosa para os órgãos públicos, tanto em preço quanto em qualidade. Na construção civil, todas as contratações de serviços devem passar por um processo que obedece a lei 8.666/1993.

Instituída em 1993, essa lei rege todos os processos administrativos e é capaz de responder a todas as dúvidas sobre esse procedimento. Essa lei regulamenta o artigo 37 da Constituição Federal de 1988. O que dita os princípios que a administração pública deve seguir. São eles: legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência.

Também na lei 8.666/93 baseiam-se todos os editais. Por isso é tão importante conhecer essa lei, sem esquecer que alguns tipos de licitação têm como base outras leis.

Como funciona o processo de licitação na construção civil para obras públicas?

Existem duas etapas que são seguidas para o sucesso do empreendimento e diminuição dos riscos da Administração Pública. São eles:

  • Fase interna: quando inicia um processo administrativo, cria ou contrata uma empresa para desenvolver os projetos básicos e executivos e elaborar o edital.
  • Fase externa: quando o edital é publicado e divulgado, com as propostas recebidas e analisadas por uma comissão e o contrato é assinado com a empresa que ganhou a licitação.

O processo licitatório envolve diversos procedimentos para garantir uma construção de acordo com as leis e regras vigentes. Ao iniciar o processo administrativo, não basta um protocolo: é preciso indicar o objeto e a origem dos recursos orçamentários para as despesas com a obra. Alguns empreendimentos precisam de licenciamento e, nesses casos, é necessário elaborar um estudo e relatório de impacto ambiental.

Onde encontrar um Gerente de Licitação?

O mercado precisa de profissionais e pessoas qualificadas, especializadas, que saibam exatamente o que são processos licitatórios, que compreenda os trâmites e execute um trabalho bem feito, sem erros que possam gerar estresses e problemas.

No setor privado, os profissionais que desejam trabalhar com licitações, precisam ter conhecimento da empresa que trabalham. Algumas funções que podem ser desempenhadas por aqueles que possuem o conhecimento de Licitações Públicas: Auxiliar de Licitação, Assistente de licitação, Analista de licitação e Gerente de Licitação.

O que faz um Auxiliar de licitação?

O Auxiliar de licitação acompanha os processos licitatórios, busca e analisa editais, cadastra e renova a empresa em órgãos públicos e privados e controla homologações.

O que faz um Assistente de licitação?

O Assistente de licitação busca e analisa editais, cadastra e renova a empresa em órgãos públicos e privados e controla homologações, a fim de viabilizar a participação em pregões eletrônicos e presenciais, organizando toda a documentação necessária.

O que faz um Analista de Licitação?

O Analista de Licitação é o profissional que faz a ponte entre as empresas e o governo. Ele faz isso participando de um processo chamado Licitação. O analista é especializado em participar de licitações, representando uma empresa e buscando as melhores estratégias para que ela tenha sucesso nessa empreitada.

O que faz um Gerente de Licitação?

O Gerente de Licitação gerencia e identifica processos de licitações públicas, acompanha a análise dos editais, em conformidade com os produtos da empresa. Faz estudo de mercado, analisa concorrentes e define os preços para competição na licitação, a fim de aprovar a venda.

Para facilitar o trabalho do Gerente de Licitação, a 90Ti oferece o que existe de melhor no mercado: o 90Compor e Planejamento de Obras, sistema que otimiza as atividades do profissional no seu dia a dia e em toda a sua rotina.

Análise de viabilidade da obra em 5 passos simples? Confira no blog da 90!

análise de viabilidade da obra

A elaboração de um plano de análise de viabilidade da obra garante que o serviço seja realizado com sucesso

O planejamento de uma obra é uma etapa importante para a construção e fundamental para o sucesso de um empreendimento. Ao executar uma obra é importante pensar na viabilidade de muitos processos: preço da mão de obra, materiais utilizados, equipamentos… Estes, quando planejados corretamente, conferem qualidade aos processos e, sobretudo, agregam valor às unidades habitacionais.

Além do planejamento, na construção civil é importante que o passo a passo de uma obra seja prioridade para os gestores. Quando executado em equipe, o trabalho flui melhor e as entregas são feitas com melhor qualidade.

Por que investir em planejamento de obras?

O mercado atual exige da construção civil abordagens atualizadas e eficientes no controle do mapeamento de suas obras. Conheça, então, alguns benefícios da análise de viabilidade de obra:

– Otimizar o funcionamento da obra;
– Aumenta a produtividade da equipe;
– Reduz gastos e desperdícios;
– Promove a satisfação dos clientes.

Quais são os passos para a análise correta de uma obra?

1) Planejamento

O planejamento, na Construção Civil, exige a organização para a execução, incluindo a elaboração do orçamento e a programação da obra. Existem três tipos básicos de planejamento: curto, médio e longo prazo.

No planejamento a longo prazo é possível evitar contratempos na execução da obra e evitar os problemas financeiros. Nele, conseguimos observar o melhor custo benefício da obra. No médio prazo, é menos possível prever possíveis problemas na construção. Já no curto prazo, é preciso seguir um plano mensal, semanal ou diário, para garantir o andamento da obra.

2) Análise da viabilidade econômica

Um dos passos mais importantes na execução de uma obra é a análise da viabilidade econômica do empreendimento. Antes de começar, é preciso saber qual o montante exato que será investido, bem como identificar
as variáveis que podem influenciar a viabilidade em estudo. Veja, a seguir, algumas informações que devem ser consideradas na etapa de avaliação:

  • Custos com os projetos (estrutural, arquitetônicos e instalações);
  • Lista de materiais e ferramentas que serão comprados;
  • Custo de contratação de mão de obra especializada e terceirizada;
  • Custo de cada uma das etapas (fundação, alvenaria, acabamentos,
    etc);
  • Custo com licenciamento e regularização;
  • Cronograma da obra;
  • Benefícios e Despesas indiretas;
  • Retorno sobre o investimento.

3) Orçamento da obra

O cálculo da estimativa da execução de um empreendimento deve ser feito tanto por planilha no Excel ou com a utilização dos softwares e tecnologias especializadas.

Para que o orçamento seja viável, é importante que o orçamentista conheça domine alguns aspectos.  Entre eles: o consumo de materiais em cada serviço, a quantidade de mão de obra, as leis trabalhistas sobre o custo da mão de obra, o tempo de uso dos equipamentos, os custos financeiros decorrentes, os custos
administrativos (indiretos) e a carga tributária que irá pesar sobre os serviços.

4) Cronograma da obra

Um cronograma ideal é capaz de mostrar por onde se deve começar cada uma das etapas, além da ordem de execução e conclusão dos serviços. Dessa maneira, torna-se viável identificar os pontos que merecem maior atenção e serviços, ou necessitam de profissionais qualificados e especializados.

5) Regularização

É importante que o empreendimento seja regularizado. O procedimento é cheio de burocracias e, se não for feito com antecedência, pode atrasar o início das obras e gerar custos extras. É fundamental prestar atenção a alguns pontos para a regularização. Anote:

– Matrícula do imóvel;
– Projeto Arquitetônico;
– Alvará de Construção;
– ART (Anotação de Responsabilidade Técnica);
– CND (Certidão Negativa de débito);
– AVCB (Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros);
– Habite-se;
– Registro do imóvel.

Fazer um planejamento de viabilidade econômica de obras é essencial para saber o que esperar durante e após a finalização da obra. Ele deve ser aplicado aos construtores e incorporadores que buscam maximizar os resultados de um empreendimento.

O 90 Compor Orçamento e Planejamento de Obras pode te auxiliar em todas as etapas de viabilidade de uma obra. Clique no link e veja todos os benefícios que o nosso sistema pode oferecer!

 

 

Como a impressão 3D pode revolucionar a construção civil?

impressão 3D

Tecnologia de impressão 3D já vem sendo utilizada em algumas áreas da engenharia

As primeiras construções humanas foram feitas a partir de escavações diretamente das rochas e são o registro de uma época em que os homens viviam em cavernas. Desde então, muita coisa mudou na forma como as casas e prédios são feitos. Uma das mais recentes é a utilização da impressão 3D, que transforma modelos existentes apenas no mundo virtual em algo real e concreto.

No final da década de 80, surgiram as primeiras tecnologias da impressão tridimensional que foram criadas para produzir com maior velocidade produtos desenvolvidos em escala industrial. Mas você sabia que foi só em 2009 que a primeira impressora 3D foi comercializada? Isso mesmo, há pouco mais de uma década.

Mas, afinal, o que é impressão 3D?

A impressão 3D é um processo onde você cria um objeto físico tridimensional, etapa por etapa, a partir da projeção física do mesmo objeto. A impressão é sempre feita através de diversos depósitos de camadas de um determinado material e sempre de baixo para cima.

Com uma impressora 3D você pode criar de tudo, desde uma colher até grandes construções.

Para que ela foi criada?

A impressão 3D foi criada para agilizar o processo de execução e montagem de peças e produtos. Diversas áreas do conhecimento já encontram, por meio da impressão tridimensional, soluções para barreiras que até pouco tempo eram intransponíveis.

Esse tipo de impressão está na lista das tecnologias capazes de realmente transformar a indústria em geral, principalmente a da construção, conseguindo reproduzir montagens 70% mais ágeis, o que acaba reduzindo a jornada de trabalho e os investimentos financeiros.

A impressão 3D revolucionou áreas como medicina, o setor automotivo, joalheiro, alimentício e a construção civil.

A tecnologia e a construção civil

No mercado da construção civil, a impressão 3D tem feito grandes transformações nos processos de modelagem, construção e manutenção. Destacamos três características alinhadas entre a impressão 3D e o mercado da construção civil:

  • Modelagem digital: a cada dia cresce mais o uso da modelagem digital, tendo como destaque o BIM.
  • Personalização: a impressão 3D possibilita a criação de designs e formatos únicos, impossíveis de se conseguir por meio tradicionais. Além disso, conseguimos modelos personalizados ao solicitarmos um projeto
    pessoal.
  • Automação: O mercado da construção civil vê a automação como uma forma de substituir a falta de mão de obra qualificada.

No Brasil, o uso da tecnologia na construção civil é voltado para aplicação de maquetes arquitetônicas e estruturais.

Como é aplicada a impressão 3D na construção Civil?

A impressão 3D já é uma realidade em um nicho do mercado da construção civil. Confira:

  • Prédios: nos prédios, a utilização da impressora 3D tem sido aplicada em construções de pequenas escalas, com um cômodo. Exceção da empresa Winsun (empresa chinesa), que já construiu uma casa e um apartamento com cinco cômodos.
  • Pontes: temos pontes construídas para ciclistas utilizando a impressora 3D em Madri, na Espanha e na Holanda.

Entre todos os benefícios citados que essa tecnologia pode trazer para a construção civil, destacamos: liberdade de criação, autonomia e economia, rapidez e previsibilidade, propriedades especiais em seu uso e sustentabilidade.

Os desafios da impressão 3D na construção civil

  • Preço: uma impressora 3D robusta pode custar até dois milhões de dólares.
  • Controle dos Materiais: a utilização de materiais líquidos ou semilíquidos, endurecem conforme a impressão é realizada.
  • Processos Tradicionais: muitos engenheiros ainda são resistentes à utilização da impressora 3D e ficam presos a processos tradicionais.
  • Regulamentação: burocracia e regulamentação específica para o uso dessa tecnologia.

Nenhuma mudança é fácil, ainda mais com uma tecnologia de ponta que necessita de um conhecimento técnico aprofundado.

Mesmo com toda tecnologia e rapidez, não podemos deixar de levar em consideração que o setor da construção civil emprega muitos profissionais e substituí-los pela impressora 3D implicaria em uma demissão em massa
e crise no setor.

Quer mais conteúdos e informações sobre o mundo da engenharia? Então nos siga nas redes sociais (Instagram, Facebook e LinkedIn) e tenha tudo isso na palma da mão, a qualquer hora e lugar!