Skip to content

Categoria: Materiais Educativos

Tecnologia na engenharia civil em 2022: conheça as principais tendências

tecnologia na engenharia civil

A tecnologia na engenharia civil avança a cada dia que passa com materiais, produtos, ferramentas e metodologias. Quer saber quais são as principais tendências adotadas no ano de 2022? Descubra agora!

A construção civil não só é um mercado importante e necessário para a economia brasileira e mundial, como também é altamente inovador e cheio de campos a serem explorados.

Inclusive, engana-se quem acha que o avanço tecnológico se opõe ao meio ambiente e às gerações futuras do planeta. Pois, à medida em que a tecnologia ganha força, assuntos como ESG na engenharia (meio ambiente, social e governança), programas como IPTU verde e construções sustentáveis tornam-se ainda mais relevantes.

Aliás, o que uma coisa tem a ver com a outra? Simplesmente tudo! Até porque é dessa forma que uma obra consegue cumprir seu papel com excelência, já que é executada com precisão, pensada na qualidade de vida das pessoas e ainda traz inovações!

Então, sem mais delongas, confira agora o que há de mais interessante em tecnologia na engenharia civil em 2022!

Tendências de tecnologia na engenharia civil

Em uma época em que muito se fala sobre a utilização das máquinas de construção civil, por que não ir além e falar também sobre os recursos que não necessariamente dependem delas?

Nesse caso, as tendências de tecnologia na engenharia civil são interessantes por dois motivos: primeiro, novos empreendimentos estão sendo feitos a partir delas e edificações antigas podem aderi-las ao passarem por reformulações.

Até porque, os recursos tecnológicos são hoje um dos maiores aliados de um projeto! Confira alguns deles:

1 – Isolamento acústico

Essa é uma das tecnologias mais utilizadas na construção civil. Isso porque desde 2013 a NBR 15.575 determina que as novas edificações tenham isolamento acústico.

Sua utilização é essencial para garantir conforto às pessoas, pois, como seu nome sugere, ela isola ruídos externos que possam causar incômodos.

O isolamento acústico pode ser feito de diferentes formas, como painel wall (composto por duas placas cimentícias, sem amianto, e um miolo de madeira), lã de vidro e de rocha e espumas acústicas. Seus benefícios em uma construção são:

  • redução de poluição sonora;
  • aumento de privacidade;
  • diminuição de atrito entre vizinhos;

2 – Impressão 3D

Recurso extremamente interessante, a impressão 3D é uma tecnologia utilizada para imprimir projetos com três dimensões (altura, largura e profundidade).

Na construção civil, as impressoras 3D são usadas principalmente para reduzir a utilização de materiais utilizados durante uma obra, pois permitem que estruturas complexas sejam desenhadas, estruturadas e projetadas com maior facilidade.

Essa tecnologia dispensa mão de obra e é capaz de reproduzir obras em pouco tempo! 

3 – Concreto autocicatrizante

Se você achou que este artigo sobre tecnologia abordaria temas como data science na construção civil, automatização de tarefas e softwares inovadores, acertou, mas não podemos deixar de citar as inovações dos materiais! No caso, o bom e velho concreto.

O concreto autocicatrizante é uma mistura de cimento, areia, água e aditivos que promove a cura das fissuras e trincas do concreto, sendo uma tecnologia na engenharia civil relativamente nova. 

Ainda assim, ele está ganhando cada vez mais popularidade devido às suas vantagens em relação ao concreto tradicional. 

Uma das principais vantagens do concreto autocicatrizante é a sua capacidade de se curar sozinho, sem a necessidade de intervenção humana. Isso reduz o tempo e o custo necessários para a manutenção do Concreto, além de aumentar sua durabilidade. Outra vantagem é a sua resistência à água, o que o torna ideal para a construção em ambientes com alta umidade.

4 – Representações virtuais

As representações virtuais na construção civil são ferramentas úteis que permitem aos gestores de obras, arquitetos e engenheiros criar modelos tridimensionais de edifícios e outras estruturas. 

Eles podem ser usados para visualizar o projeto, fazer simulações e testes, bem como para analisar o impacto da construção no ambiente. 

Além disso, as representações virtuais na construção civil também podem ser usadas para gerar imagens e vídeos do projeto, o que pode ser útil para a comunicação do projeto para os clientes e o público.

5  – Utilização de drones

Aclamada tecnologia na engenharia civil e também em outros mercados, os drones estão cada vez mais populares. Eles podem ajudar a monitorar o progresso de um projeto, fazer entregas de materiais e até mesmo inspecionar áreas inacessíveis.

Veja algumas das formas pelas quais os drones na construção civil podem ser utilizados:

  • Monitoramento do projeto: os drones podem ser usados para sobrevoar a obra e tirar fotos ou vídeos do progresso. Isso é útil para garantir que o projeto esteja de acordo com o cronograma e também para identificar problemas que precisam ser abordados;
  • Entrega de materiais: seu uso para essa finalidade evita o tráfego pesado e ajuda a garantir que os materiais sejam entregues a tempo;
  • Inspeção de áreas inacessíveis: os drones também são usados para inspecionar locais altos, perigosos ou que um ser humano não conseguiria alcançar.

6 – Smart homes 

Antes um sonho distante, hoje as smart homes já são realidade quando falamos em tecnologia na engenharia civil!

As casas inteligentes são uma construção tecnológica que tem como objetivo integrar todas as suas partes e realizar tarefas de forma automatizada graças à internet.

O mercado smart home está em ascensão e seus principais benefícios são segurança, praticidade e conforto.

7 –  Construções modulares

As construções modulares são criadas em seções pré-fabricadas e podem ser facilmente transportadas e montadas no local da construção, o que acelera o processo de estruturação, possibilitam que custos operacionais e de materiais sejam reduzidos durante o projeto e oferecem flexibilidade.

Por essas razões, o conceito de construção modular ganha cada vez mais espaço no cenário da construção civil, especialmente quando falamos de fábricas e galpões.

Tecnologia é essencial para se destacar na construção civil

Seja com o uso de um software de gestão capaz de facilitar a visualização e acompanhamento do seu projeto ou então com recursos disruptivos que aceleram a produção e finalizam uma obra com maestria, a tecnologia na engenharia civil já deixou de ser luxo e tornou-se uma necessidade.

Por isso, este artigo trouxe 7 tendências tecnológicas para você acompanhar e utilizar visando a otimização do seu projeto! Aliás, quais delas você já utiliza?

Por falar nisso, acompanhe o blog da 90 e mantenha-se atualizado sobre as principais tecnologias na construção civil e se destaque no mercado.

Inteligência Artificial na engenharia: entenda sua importância

inteligência artificial na engenharia

Inteligência Artificial na engenharia: como ela pode ser utilizada

A Inteligência Artificial na engenharia já é uma realidade e pode ser aplicada em diferentes áreas trazendo mais funcionalidade, praticidade, economia de tempo, entre muitos outros benefícios.

Em um primeiro momento até soa como roteiro de filme de ficção científica, mas não é. Diferentes áreas da engenharia como computação, construção civil, produção e outras já podem ser beneficiadas pelo uso da inteligência artificial (ou apenas IA).

Aliás, o que vem à sua cabeça quando falamos no assunto em questão? A Siri, da Apple, a Alexa, da Amazon, um sistema capaz de automatizar tarefas? Um robô capaz de executar essas tarefas e tomar decisões no lugar de um ser humano?

Bom, na verdade é um pouco de tudo isso, porém é ainda mais interessante do que parece. 

Continue a leitura deste conteúdo e descubra o que é IA na engenharia e como ela é aplicada de forma prática para otimizar projetos

O que é Inteligência Artificial? 

A Inteligência Artificial é definida como um campo de estudos que têm como origem as seguintes áreas:

  • Computação;
  • Engenharia;
  • Psicologia;
  • Matemática;
  • Cibernética.

Todas essas áreas, de forma multidisciplinar, têm como objetivo principal a construção de sistemas que sejam configurados com um modo de operação e comportamento inteligente a fim de executar atividades e processar informações com a excelência equivalente ou superior a de um ser humano.

Para tal, a IA é fundamentada a partir de três pilares: raciocínio, aprendizado e percepção

O raciocínio é o processo lógico de compreensão e tomada de decisões. 

O aprendizado é a capacidade de uma máquina de aprender com experiências anteriores e ajustar seu comportamento de acordo. 

Já a percepção é a capacidade de uma máquina de processar informações do mundo externo. 

Principais Funcionalidades da Inteligência Artificial na Engenharia

Quando falamos em Inteligência Artificial na engenharia a premissa é a mesma: construir sistemas capazes de analisar dados de maneira precisa e contribuir para tomadas de decisão cada vez mais assertivas. Nesse caso, é parecido com o que faz um ERP para engenharia civil por meio da integração de informações.

A engenharia é uma área extremamente competitiva e que absorve os avanços e impactos tecnológicos de maneira rápida. Até porque, em muitos casos, neles é que estão os diferenciais frente a um mercado que entende a importância do pioneirismo.

Com isso em mente, as principais utilidades da IA para a área são:

Machine Learning (ML)

O machine learning é um método de análise de dados que automatiza a construção de modelos analíticos em sistemas. 

Uma das principais partes do trabalho da IA é possibilitar que sistemas aprendam com dados, identifiquem padrões e tomem decisões com o mínimo de intervenção humana.

Assim, se tem redução de custos operacionais e diminuição de erros relacionados às tomadas de decisão, principalmente porque torna-se possível analisar dados complexos e volumosos por meio da criação de algoritmos que projetam cenários ideais (livres de erros).

Ou seja, é como se a IA garantisse um processo de melhoria contínua tendo os dados como base.

Deep Learning (DL)

Aprofundando no conceito de Machine Learning, o Deep Learning é uma tecnologia ainda mais avançada e, além de aprender com os dados, é capaz de fazer o cruzamento deles para gerar insights e se adaptar a diferentes cenários e necessidades.

Um dos benefícios práticos do DL é a prevenção de fraudes. Em sistemas financeiros, por exemplo, ele tem autonomia para identificar padrões suspeitos de comportamento e bloquear possíveis fraudes ou erros com potencial para resultar em erros ainda mais graves.

Monitoramento de projetos

A Inteligência Artificial na engenharia também pode ser utilizada para o monitoramento de projetos a fim de melhorar a administração das obras, otimizar processos e acelerar etapas, por exemplo.

A IA encontra padrões para todas as fases de um projeto, o que facilita sua gestão como um todo, desde a fase de iniciação e planejamento até a análise de processos, metodologias e encerramento.

Essa é uma maneira eficiente de evitar pequenos erros ao longo do projeto e ganhar tempo com isso, minimizando consideravelmente qualquer chance de atraso.

Logística

A Inteligência Artificial na engenharia também tem funcionalidades e benefícios relacionados à logística, especialmente quando falamos em gestão de materiais, supply chain e até impressão 3D de obras, galpões e afins.

Por meio de softwares e óculos de realidade virtual, a IA permite que seja possível “estar dentro” daquele espaço e checar suas condições antes mesmo de ele ser concluído.

Nesse contexto, a IA pode ser aplicada por meio de um sistema de automação para cruzar informações relacionadas ao estoque, padrões no inventário e informações de armazenagem, como temperatura ideal do ambiente, clima e afins.

Relatórios e tomadas de decisão estratégicas

A Inteligência Artificial na engenharia utiliza dados, monitora seus padrões, cruza essas informações para gerar insights e reduz quase que completamente os erros advindos da mão de obra humana.

Portanto, naturalmente todo esse ecossistema facilita as tomadas de decisão envolvendo o projeto, independente da fase em que ele esteja.

Isso porque o sistema é quem faz todo o trabalho analítico. Isto é, filtrar a base de dados, mapeia processos, elimina erros e entrega ao responsável pelo projeto somente o que é pertinente (tendo base confiável).

Assim, o gestor tem maior facilidade para tomar decisões assertivas e seguras em situações como: cálculos de obras e projetos, definição de indicadores de desempenho, análise de orçamentos, dentre outras.

IA na engenharia é realidade

Ao longo deste artigo você pôde conferir algumas das principais funcionalidades da IA na engenharia. Agora, responda: de todas elas, com quais você já se deparou no mercado?

Muitas né? Isso porque a IA já deixou de ser vista como algo futurista e inalcançável, podendo ser encarada até como fundamental em certos casos.

Quando falamos em Inteligência Artificial na engenharia, é possível afirmar até que ela é um enorme diferencial competitivo e capaz de garantir o sucesso de um projeto, pois traz eficiência, reduz custos, potencializa acertos e, consequentemente, lucros.

Mantenha-se informado! Confira outros artigos como este no Blog da 90Ti e fique por dentro dos principais assuntos envolvendo tecnologia, engenharia, metodologias e muito mais.

 

Como fazer um memorial descritivo com excelência? Confira o passo a passo

Como fazer um memorial descritivo com excelência? Confira o passo a passo

Antes de tudo, sabemos que as atividades na construção civil devem ser produzidas com eficiência. Afinal, estamos lidando com projetos sérios e que precisam de processos muito bem definidos, a fim de que a obra seja entregue com qualidade, segurança e no tempo estimado

Por esse motivo, saber como fazer um memorial descritivo é de suma importância, uma vez que ele oferece um mapeamento de tudo o que está sendo executado em uma obra. 

Portanto, nesse post, iremos nos aprofundar no conceito desse tipo de material e entender como criá-lo de forma simples e prática! Confira. 

O memorial descritivo no projeto básico de licitações 

O memorial descritivo está previsto na Lei 4.591/64. Sendo assim, é importante que você, enquanto profissional da área de engenharia, tenha conhecimento da criação desse tipo de memorial.

Em caso de licitações, por exemplo,  o memorial descritivo tem a mesma função: abordar o conceito do projeto, bem como as normas adotadas para a realização de cálculos e a ideia inicial do raciocínio necessário para o planejamento e execução da obra. 

Além disso, o memorial também especifica os materiais a serem empregados, com o intuito de oferecer segurança e garantia ao consumidor final. É no memorial descritivo que estão previstos o planejamento financeiro da obra e também as informações necessárias para a toda a gestão da construção.

Sem contar que esse documento também demonstra seriedade por parte da construtora. O cliente procura cada vez mais este tipo de memorial como garantia de saber que não será passado para trás e que terá a constituição do seu bem. 

A importância de um memorial descritivo bem feito 

Conforme dito, o material descritivo é crucial para garantir tanto a segurança do projeto ao cliente, quanto para que o mesmo tenha um norte de como anda o processo de produção – além de outras informações advindas da gestão do projeto. 

Por esse motivo, é importante que o memorial descritivo seja criado bem antes do lançamento da construção. Além disso, não devemos esquecer que esse documento precisa ser registrado em cartório, para que fique disponível para consulta sempre que for necessário. 

O memorial descritivo ainda carrega o papel de otimizar a comunicação entre a própria construtora com o cliente em relação aos status do empreendimento. 

Além disso, esse documento também assegura proteção para a construtora, como é o caso de pedidos solicitados pelos clientes, mas que não estavam previstos no começo da obra. 

Como fazer um memorial descritivo?

Agora que você já entende a importância desse tipo de documento na construção civil, está na hora de elaborá-lo na prática. Confira abaixo o passo a passo e veja como criar um memorial descritivo:

1. Atente-se aos dados da obra 

Primeiro, é essencial descrever os dados da obra, bem como o nome do projeto, o tipo de obra, o modelo de memorial, os proprietários responsáveis, dimensões da obra, e entre outros itens que julgar necessário neste tópico. 

2. Não se esqueça de registrar a localização 

Na primeira página do seu memorial descritivo, é importante fazer o registro do local onde o trabalho será realizado. Além disso, não se esqueça que é no início do material que é registrado, também, os estudos realizados no terreno a fim de fornecer o máximo de informações possíveis sobre a geografia do local. 

Depois da parte de localização e espaço, podemos passar para a parte de materiais multimídia e interativos, que geralmente são utilizados para embasar a criação do memorial descritivo.

3. Registre o proprietário 

O dono da primeira página é o responsável pela obra. Isso quer dizer que o nome da construtora responsável precisa estar bem explícita no memorial descritivo, contendo informações como número do CREA dos profissionais intitulados para a obra e o CNPJ da empresa.

Já que esse documento é registrado em cartório, também é necessário acrescentar os dados referentes à fiscalização. Com um Fisco cada vez mais desenvolvido no processo de apuração de cruzamento de dados, esse documento servirá também para acoplar informações em relação à tributação vigente. 

4. Detalhe as fases de construção 

Todos os projetos e cronogramas elaborados pela gestão devem estar detalhadamente identificados no memorial. O objetivo desse registro é argumentar e explicar cada uma das fases da construção, e o motivo que tais execuções foram importantes.  

No caso de blocos de concreto, por exemplo, se forem utilizados em alvenaria, essa informação precisa ser registrada no memorial – atribuindo suas características e dimensões – seguindo o modelo das normas da ABNT.

5. Registre os processos do Acabamento

Talvez a parte de registro de acabamento seja o processo mais delicado do memorial. Isso porque ele pode tirar a construtora de situações problemáticas, como materiais e características que foram solicitadas, mas não foram ditas no começo da obra, por exemplo.

Por isso, quando for listar todos os acabamentos realizados, separe-os por aspectos internos e externos para facilitar o entendimento. 

6. Defina o objeto do projeto 

Conceituar esse processo não irá mostrar somente os custos envolvidos na obra, mas como também os inúmeros estilos de construção que tendem a mesclar a arquitetura à arte. Em outras palavras, ressaltar diferentes pontos de estilo que podem qualificar ainda mais a obra, e assim, ser registrada no memorial. 

7. Atente-se às diretrizes que são consideradas para os cálculos  

Em nosso país, atualmente existe uma média de 900 normas técnicas que são voltadas exclusivamente para a construção civil. Vamos conferir alguns exemplos, pois elas precisam estar registradas no seu memorial, se fizerem sentido:

  • NBR 5.732: Cimento Portland Comum;
  • NBR 6.118: Projeto de estruturas de concreto;
  • NBR 7.480: Fios e barras de aço que são destinadas a armaduras de concreto armado;
  • NBR 8.800: Projeto e a devida construção de estruturas de edifícios feitas à base de aço;

Lembrando que essas são as normas mais comuns. Elas precisam ser acrescentadas conforme os materiais usados no projeto, e assim por diante. 

8. Atente-se aos processos utilizados durante o projeto 

Se a construção tende a trabalhar com utilização da água da chuva, por exemplo, esse processo também deve estar registrado no documento, bem como o modo em que a água da chuva é captada. Além disso, também será necessário incluir a forma em que as cisternas serão executadas.

9. Entenda as demandas do projeto 

Antes de tudo, sabemos que um projeto sem objetivos especificamente claros, acabam ficando sem norte. No entanto, esse processo dependerá da visão clara do projeto por parte da construtora. Vamos citar alguns exemplos de ideias mais comuns de objetivos de projeto:

  • Realizar a construção de imóvel popular;
  • Construir um prédio que seja o mais alto de toda a região;
  • Criar um novo visual para a parte estrutural;
  • Criar um estilo mais contemporâneo na parte externa do edifício;
  • Entre outros.

Mas, para fazer com excelência… 

Devemos lembrar que simplesmente escrever por escrever um memorial descritivo é fácil. A questão, no entanto, é que todos os registros, ou grande parte deles, devem estar pautados em normas específicas, que orientam ações, materiais e processos a serem realizados. Isso é regra!

Com isso, garantimos que o projeto seja construído de acordo com as normas vigentes de sua estrutura, e assim, consiga um excelente destaque no quesito qualidade. 

Por esse motivo, o memorial descritivo precisa atender, além das leis já citadas, aqui, a normas específicas: as normas regulamentadoras (NRs) e as normas  brasileiras (NBRs). Faz parte das normas brasileiras  a Norma de Desempenho de Edificações Habitacionais – NBR 15.575.

Sob esta NBR está a previsão da qualidade dos produtos utilizados na obra, incidindo nos resultados que chegam para o consumidor final. A NBR 15.575 estipula os níveis de conforto, segurança e resistência que cada um dos sistemas que constituem o imóvel devem proporcionar.

Como buscar o melhor exemplo de memorial descritivo para orientar meu projeto

Se você deseja um modelo de memorial descritivo para te ajudar no seu projeto, fizemos um infográfico resumindo o passo a passo para você montar o seu. Confira:

Agora que você já tirou todas as dúvidas sobre o assunto e já sabe como elaborar um excelente memorial descritivo, siga a 90TI no LinkedIn e fique por dentro de nossas novidades.

11 Cursos para engenheiros civis se aperfeiçoarem na profissão

A construção civil é um segmento diferenciado, que se mantém em alta mesmo diante de crises, com diversas oportunidades no mercado. Em contrapartida, a competitividade é grande, fomentando o mercado de cursos para engenheiros civis.

Diante desse contexto de constante transformação, a graduação não é o suficiente para capacitar um profissional: a formação precisa ser continuada. Isso não quer dizer fazer apenas uma pós-graduação, mas ampliar e atualizar sempre conhecimentos e competências relevantes para o exercício da atividade.

Neste artigo, trouxemos tópicos úteis para compreender esse cenário e escolher entre a diversidade de cursos para engenheiros civis se aperfeiçoarem. Como bônus, incluímos algumas dicas sobre transformação digital na área para auxiliar na atualização!

Prossiga e escolha o melhor caminho para a sua carreira!

Transformação_Digital_Construtoras

Diante da diversidade de cursos para engenheiros civis, como fazer uma escolha inteligente?

O século XXI trouxe a inovação tecnológica constante e com ela uma gama de possibilidades de escolha. Isso é bom por um lado, mas, às vezes, dificulta uma boa tomada de decisão..

Ao mesmo tempo, essa constante transformação vinda das novas tecnologias exige a atualização profissional contínua, principalmente em áreas com especificidades técnicas, como a engenharia civil.

Para nós, engenheiros, escolher estudos que realmente contribuam para a carreira e otimização profissional é algo crucial. Mas, e aí, como lidamos com a variedade de alternativas?

Entenda qual curso para engenharia civil melhor contribuirá para a sua especialidade e o seu momento profissional

Antes de fazermos a nossa seleção de cursos para engenharia civil, nos perguntamos como poderíamos oferecer dicas efetivamente relevantes para ajudar os profissionais nessa escolha.

Chegamos à conclusão de que, em primeiro lugar, há certas perguntas importantes, que cada profissional precisa fazer antes de optar por um curso de engenharia civil para se qualificar:

  • O que é mais importante no meu momento profissional?
  • O que preciso aprender para ser melhor na minha especialidade?
  • Quais as projeções de inovação importantes para a minha área?
  • Quais habilidades preciso desenvolver, que não são específicas da engenharia, mas são importantes para a minha posição na carreira?

Após responder a essas perguntas, parte-se para análise das formações e instituições que oferecem cursos para engenharia civil.

Como escolher o curso para engenheiros civis e a instituição certos para o meu aperfeiçoamento profissional?

Aqui as dicas são bem objetivas, mas continuam a exigir uma análise de contexto. Primeiro, você precisa entender o tipo de curso para engenharia civil mais interessante para o seu momento: é uma pós-graduação? É um curso livre com certificado? O certificado é irrelevante e você só precisa do aprendizado?

Decidido isso, outro ponto a se considerar é o quanto de tempo e dinheiro você pode investir em sua qualificação agora. Em seguida, investigue sobre a instituição: verifique a reputação entre clientes, relevância no mercado, experiência e formação dos ministrantes, reconhecimento e aspectos afins.

Buscar opiniões de outros especialistas da área é mais um recurso para te ajudar. E, é claro, a nossa lista, que vem a seguir!

1. Gestão de projetos FGV

Gestão de projetos é um conhecimento interessante para profissionais da engenharia civil em cargos de gerência, coordenação e afins. Ele aborda aspectos teóricos e metodológicos, a exemplo da metodologia ágil, para organizar, agilizar e aumentar a eficiência dos processos.

O curso de Gestão de Projetos da FGV (Fundação Getúlio Vargas) é uma alternativa interessante. Ele é oferecido no formato EAD, com carga horária de 30h, certificado digital e o badge FGV autenticados por tecnologia blockchain. Outra opção, mais robusta e formal, é o MBA em gestão de projetos da USP.

2. Gestão de Negócios

Se você pensa que um curso de gestão de negócios é indicado só para empreendedores, você errou! Esse saber pode ser bem aproveitado por qualquer profissional de engenharia civil, principalmente responsáveis por ações de planejamento, finanças, comunicação, projetos e afins.

O MBA em gestão de negócios da USP é uma opção bastante completa no assunto, oferecendo uma diversidade de aprendizados, incluindo estatísticas, orçamento, tendências digitais, dentre outros.

3. Estratégias e habilidades para negociações de sucesso

Estratégias e habilidades de negociação são úteis para qualquer engenheiro civil, pois auxiliam, por exemplo, na lida com clientes e fornecedores. Aqueles que não podem ou não querem fazer um MBA contam com outras opções.

Aqui, indicamos o curso Negociações de sucesso desenvolvido pela Universidade de Michigan. A formação está disponível em português, na plataforma da Coursera, com aproximadamente 12h de dedicação e certificado de conclusão.

4. Gestão de custos

A gestão de custos é um tema fundamental para a sobrevivência de qualquer empreendimento privado ou público. Por isso, este é um dos cursos para engenheiros civis e outros profissionais que existe aos montes.

Um caminho seguro é optar pela FGV, que oferece de conteúdos mais enxutos a mais completos nessa área, incluindo abordagens mais específicas, como as voltadas para o setor público.

Vamos deixar aqui a sugestão do curso rápido Fundamentos da gestão de custos, pois é um bom ponto de partida. E, para quem quiser aquecer, abaixo trouxemos um webinar promovido pela 90Ti sobre Gestão e Manutenção de Ativos!

5. Sustentabilidade aplicada aos negócios

Sustentabilidade é a palavra de ordem, tanto no sentido econômico quanto ambiental, principalmente para o setor de construção civil, onde os custos e questões ambientais têm impacto direto nos mais diversos projetos.

A FGV oferece três cursos sobre sustentabilidade. Dois cursos rápidos com carga horária de 30 horas e uma Pós-Graduação em Meio Ambiente e Sustentabilidade, com mais de 400 horas.

6. Gestão e gerenciamento de obras

Esse é um curso para engenheiros civis específico da área, que trabalha aspectos como planejamento, cronograma, orçamento e normas a serem consideradas em serviços de engenharia.

Se você quer ir direto ao ponto, mas prefere um aprendizado rico, ágil e específico, o curso de Gestão e gerenciamento de obras do Instituto Nacional de Ensino a Distância (GINEAD) é uma boa escolha. Com carga horária de 35h, ele tem uma vasta grade curricular e é gratuito, exigindo uma taxa apenas aos que solicitarem certificado.

 

Planilha_Controle_de_Obras

 

7. Introdução à comunicação

Bons cursos introdutórios de comunicação e oratória são encontrados com facilidade, por exemplo, na já muito indicada Fundação Getúlio Vargas, em escolas empresariais particulares, no Sesi, no Sebrae e afins.

Deixaremos aqui a indicação do curso de Introdução à comunicação empresarial da Fundação Bradesco, com carga horária de 6h e direcionado para a comunicação organizacional, incluindo a escrita. Após a matrícula, é preciso finalizar os estudos em 60 dias.

8. Liderança e gestão de pessoas

Assim como no caso anterior, bons cursos de liderança, curtos e extensos, são encontrados facilmente. Eles auxiliam no desenvolvimento de habilidades úteis mesmo para quem não gere uma equipe, portanto, não têm contraindicação.

Diante do volume de opções, selecionamos a Certificação Avançada Gestor Ágil para Transformação Digital, oferecida pela Escola Nacional de Administração Pública (ENAP). A trilha completa tem carga horária de 175h, a ser concluída em 365 dias para obtenção do certificado avançado.

Ela é composta por 7 cursos mais curtos, com certificados independentes, que trabalham diferentes aspectos relevantes para liderar no contexto de transformação digital. Portanto, você pode escolher os tópicos mais interessantes para você, sem precisar fazer a certificação integral.

9. Inovação em gestão

Gestores da construção civil com ambições e metas excepcionais precisam se aventurar em novos territórios, a fim de desenvolver competências e habilidades, também, excepcionais. As propostas de formação nesse sentido podem seguir abordagens bem distintas, pois envolvem ousadia e criatividade.

Em nossa busca, a certificação internacional Management 3.0 – Foundation, oferecida pela Fundação Vanzolini se destacou, por trazer uma visão inovadora de gestão, que aposta na satisfação da equipe como impulsionadora de resultados.

Compõem o programa tópicos como o pensamento complexo, ferramentas e jogos que auxiliam a prática de uma cultura organizacional ‘fora da caixa’. No mais, uma certificação internacional tem o seu valor no currículo!

10. Experiência do cliente

Outro conhecimento valioso para engenheiros civis diz respeito à compreensão do cliente em suas diferentes etapas de relação com os produtos e serviços. Esse aprendizado inclui estudos de marketing e qualidade, capazes de contribuir para uma visão de ponta a ponta na criação de projetos e empreendimentos.

O curso Produtos, Serviços e Experiências, da Fundação Getúlio Vargas, é gratuito, tem duração de 5h e sintetiza os aspectos básicos dessa temática. Quem quiser se aprofundar no assunto, poderá encontrar outras formações mais amplas no próprio portal da FGV.

11. Cidades sustentáveis

Sustentabilidade é um conceito amplo e muito discutido atualmente. Ela tem norteado ou influenciado normas, leis e até o mercado financeiro. Então, decidimos trazer mais uma sugestão envolvendo o tema, mas com uma linha mais próxima da construção civil: as cidades sustentáveis.

Para os fluentes em inglês e interessados em enriquecer o currículo com um certificado internacional em uma ‘temática do futuro’, o curso Sustainable Urban Development, da EDX, pode ser um ótimo investimento.

Vá além dos cursos para engenheiros civis: a transformação digital exige atualização constante!

Os cursos para engenharia civil são um dos caminhos necessários para que os profissionais se qualifiquem e mantenham posição no mercado ou evoluam na carreira. Mas, isso ainda não é o suficiente.

O avanço tecnológico tem oferecido soluções cada vez mais simples para desafios cotidianos, conferindo maior agilidade, precisão e eficácia aos processos, assim como qualidade aos resultados.

Apesar disso, a construção civil, no Brasil e no mundo, ainda ocupa o lugar de segundo pior segmento em termos de modernização, perdendo apenas para a agricultura. Um estudo da Contech Report, realizado entre 2018 e 2019, analisou  3.000 empresas do ramo e os resultados foram os seguintes:

  • 14,6% utilizam pelo menos um software especializado e  21,4 % delas usam apenas duas soluções digitais.
  • 46% delas investem menos de 1% em TI 
  • 19,7% ainda investem em fontes externas para os serviços de TI.

Isso quer dizer que o setor está perdendo oportunidades de evolução e crescimento. Agora, sob outra perspectiva, construtoras e profissionais que inovam e se modernizam facilmente se destacam no mercado da construção civil.

Quais são as novas tendências em tecnologia para a construção civil?

tecnologias com repercussão internacional crescentes, como o IoT (internet das coisas), Inteligência Artificial (AI), modelagem e impressão 3D, blockchain e robótica que ainda estão engatinhando no Brasil.

Por outro lado, algumas inovações se tornaram de conhecimento obrigatório. A seguir vamos falar sobre alguns desses avanços na construção civil, sobre os quais todo engenheiro da área precisa se atualizar.

Building Information Model (BIM)

Uma das tendências tecnológicas que abriu caminho para as soluções digitais  na construção civil é o BIM (em português, Modelagem da Informação da Construção). No Brasil, sua utilização foi fortalecida pela aprovação do Decreto 10.306/2020.

Este decreto instituiu o uso do BIM na execução direta e indireta de obras e serviços de engenharia realizados pelos órgãos públicos e entidades da administração pública federal desde janeiro de 2021.

O BIM é um modelo digital completo, pois reúne tecnologias e processos, integrando dados que representam características físicas e funcionais do projeto, que permitem a criação, utilização e atualização de modelos digitais da construção de modo colaborativo.

Business Intelligence (BI)

Business Intelligence (BI) é uma metodologia alinhada com o raciocínio digital, que desvia as decisões da intuição do gestor para que se pautem em dados e análises, trazendo maior segurança e transparência para o negócio.

Ela se sustenta em três pilares: coleta de dados; organização e análise; ação e monitoramento. Claramente essa metodologia só é viável com o auxílio de tecnologias, como ferramentas e softwares que auxiliam na gestão dos dados, dentre outras funções.

Software de gestão

Os softwares de gestão apresentam diferentes graus de complexidade, oferecendo, em síntese, a automatização de uma ou mais tarefas, como cálculos e relatórios, além do tratamento dos respectivos dados.

Eles conferem maior precisão e agilidade às atividades e podem incluir outras funções úteis para a análise de dados, favorecendo o desempenho, a qualidade e a transparência dos projetos.

Enterprise Resource Planning (ERP)

O ERP é um software de gestão integrada, automatiza todas as atividades de interesse administrativo e integra as informações dos diferentes setores, proporcionando uma visão ampla dos processos para a gestão. Quando ele funciona na nuvem, acrescenta-se o benefício de acesso remoto e compartilhado aos dados e operações.

Mas ainda pode ficar melhor! Um sistema pensado especificamente para a área de engenharia atenderá melhor às suas necessidades, a exemplo da integração com órgãos fiscais. Existem ERPs especializados para a construção civil, como o da 90TI, que elevam a experiência de modernização da gestão de obras a outro patamar.

Gostou da nossa seleção de cursos para engenheiros civis e dicas sobre transformação digital para esses profissionais? Esperamos que sim, mas sabemos que esse é só um primeiro passo.

Por isso, vamos concluir disponibilizando um material para você já começar a aquecer o seu aperfeiçoamento profissional. Lembra o BIM? Percebeu o quanto ele é importante? Pois é! Bora se aprofundar no assunto baixando o nosso e-book! É só preencher o formulário abaixo.

Concreto reciclado: conheça essa iniciativa sustentável

Uma estrutura de concreto demanda tempo de produção e gera uma quantidade considerável de entulho. Não à toa, o concreto reciclado é um conceito cada vez mais crescente, na construção civil, e capaz de dar novas qualidades ao gerenciamento de suas obras.

Neste post, nós vamos explicar como o concreto tradicional está sendo substituído pelo concreto reciclado, de que forma ele funciona e quais as vantagens para a sua obra. Se você se interessa por alternativas mais sustentáveis na construção, continue a leitura!

O que é o concreto reciclado?

No país, um dado alarmante tem reforçado o uso do concreto reciclado: anualmente,  o setor gera 84 milhões de metros cúbicos de resíduos.

E você sabe quantos deles são reaproveitados? Cerca de 17 milhões, apenas. Infelizmente, a maior parte ainda é destinada a lixões, gerando uma quantidade preocupante de entulho.

E o que mais chama atenção é que boa parte dessa quantidade de materiais poderia ser reaproveitada de várias formas em processos não estruturais, como:

  • Aterros;
  • Processo de pavimentação;
  • Construção de blocos com a finalidade de vedação;
  • Artefatos feitos de concreto.

Além disso, é de se observar que existem ainda outros 10% do concreto que sequer são aproveitados. São aqueles que se perdem em deficiências no processo, equívocos no planejamento e execução ou perdas decorrentes do armazenamento indevido de materiais.

Daí a relevância do concreto reciclado, uma vez que ele pode ser reaproveitado em sua maioria. As exceções ficam por conta de resíduos contaminados por substâncias nocivas, como é o caso do sulfato de cálcio ou cloretos.

Transformação_Digital_Construtoras

Como o concreto reciclado funciona?

Agora que já vimos o que é o concreto reciclado, vamos
entender um pouquinho mais a respeito dele e como é feito esse procedimento de
reutilização do material.

O processo de reciclagem do concreto

Assim que o material é recolhido e agrupado, o concreto é quebrado por meio do uso de técnicas convencionais de demolição. Isso inclui as famosas bolas de demolição e as britadeiras, entre outros equipamentos.

Quando os pedaços não ultrapassam 130 cm, eles são levados às centrais de reciclagem para a etapa seguinte, que consiste na trituração. Lá, um maquinário especial desfaz os pedaços maiores até que fiquem parecidos com uma mistura grossa de areia.

Em seguida, é iniciada a etapa de reutilização do concreto reciclado. Para isso, ele é misturado ao agregado de concreto virgem, posteriormente utilizado para trabalhos específicos no canteiro de obras.

Vale mencionar que o concreto reciclado pode ser usado tanto como uma camada de base dos projetos como para outras funcionalidades. Ainda não existem estudos conclusivos que apontem onde esse tipo de material
pode ou não ser utilizado.

Quais são as vantagens do uso do concreto reciclado?

Como vimos, já existem vantagens evidentes no uso do concreto reciclado. Além de ser uma opção mais sustentável e que contribui com a manutenção do meio ambiente e valoriza a sua marca, o concreto reciclado é um material mais acessível.

Além disso, o ele também é mais forte e mais leve do que o agregado de concreto virgem. Consequentemente, os seus projetos podem contar com a redução de custos e, ainda, causar um impacto ambiental inferior.

Ou seja: com esse tipo de concreto aplicado em seus próximos projetos, você adquire um produto que se assemelha ao original, mas com um custo inferior. Além de impactar menos o meio ambiente, mostrando a preocupação ambiental da sua empresa e, claro, contribuindo para gerar menos poluição e entulho.

O concreto reciclado é seguro?

Sim, além de seguro, o concreto reciclado tem tido ampla indicação de uso. Afinal, trata-se de um material que é reaproveitado a partir de novos processos. Não foge à regra de tantos outros produtos reciclados que usamos corriqueiramente. Inclusive, há quem aponte o uso do material reaproveitado como mais qualitativo do que o convencional.

Portanto, o uso do concreto reciclado é viável, porém é recomendado que esse processo passe por uma formulação de regras e técnicas padronizadas. Com isso, é mantida a qualidade do material para as atividades pertinentes no canteiro de obras. Tudo para conferir mais qualidade a um processo que tem se destacado entre as empresas do setor.

Quando ele pode ser usado?

Por fim, é importante mencionar os momentos mais indicados para realizar a reciclagem do material. Por exemplo: o material reutilizado tem sido associado a um aproveitamento melhor do que aqueles cuja origem vem de cerâmicos e argamassas.

Assim, o concreto reciclado tem feito a diferença para a execução de aterros de inertes ou mesmo em concretos estruturais — além das aplicações mencionadas anteriormente.

O cuidado, entretanto, existe por se tratar de um processo ainda em desenvolvimento. Como mencionamos, não existem, até o momento, limites definidos a respeito do seu uso. A questão, entretanto, está no quanto de material reciclado pode e deve ser utilizado.

A sua elasticidade, por exemplo, pode ser superior ao concreto convencional. A relação de água e cimento utilizados também deve ser reconsiderada. Há, assim, uma frente que defende o uso de 25% de concreto reciclado, aproximadamente, sem interferir nas propriedades.

Isso ajuda a reforçar que o concreto reciclado está em ascendência. Comprovada a sua eficácia e os resultados positivos no canteiro de obras, a etapa seguinte consistirá em desenvolver novas técnicas para reforçar o seu uso e manter a qualidade nos projetos.

Um passo nessa direção já foi dado. Agora, unir-se a outras tendências — como a construção a seco — e tecnologias que promovem mais economia e produtividade ao setor é crucial.

Como você pode notar, existem muitas opções bem interessantes para tornar as suas obras mais sustentáveis, e entre elas está o concreto reciclado. Apesar de recente, esse material tem ganhado adeptos, deixando as construções mais baratas e ainda reforçando a preocupação ambiental das construtoras (ajudando a diferenciá-las em um setor tão competitivo).

Se você gostou deste conteúdo, compartilhe o nosso post em suas redes sociais e ajude os seus amigos a descobrirem mais essa possibilidade de construção sustentável, entendendo tudo sobre o concreto reciclado.

Leia também o nosso e-book sobre transformação digital em engenharia civil, para ficar por dentro das tendências do setor:

 

6 dicas sobre Administração de Empresas de engenharia

A administração de empresas de engenharia, hoje em dia, é um grande desafio no cenário nacional. Afinal de contas, temos ainda os ecos de uma crise política e econômica reverberando em todos os setores produtivos do país. E, como complemento, vivemos uma época em que é mais fácil empreender, mas ainda mais desafiador se sustentar no mercado.

Para se ter uma ideia dessa gangorra emocional que vivem aqueles que batalham com a administração de empresas de engenharia: estudo disponibilizado pelo Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado de São Paulo (Sinduscon/SP) aponta que, em 2016, quase 515 mil postos de trabalho no setor foram fechados.

Acontece que, para evitar esse quadro pouco promissor para o desenvolvimento mercadológico, algo pode ser feito. E, neste post, nós reunimos 6 dicas sobre Administração de Empresas de engenharia que vão ajudar a blindar o seu negócio contra grande parte dos imprevistos. Acompanhe!

1. Tenha todos os custos e recebimentos sob controle

É inegável que os erros administrativos — seja por falta de experiência ou conhecimento — são grandes responsáveis pelos problemas acumulados na gestão de uma empresa. Evitar tais deslizes, no entanto, é uma questão de disciplina, prática e organização.

Para começar, faça um diagnóstico de sua empresa e descubra como ela funciona: quais são os seus recebimentos (a origem das receitas) e todos os custos necessários para a sua produção e manutenção. Isso ajuda a dar clareza às definições de metas e objetivos. Afinal, não há segredo na lógica de que, para prosperar, uma empresa deve receber mais do que investir.

2. Equilibre as contas a pagar e a receber

Da mesma maneira que você deve saber a origem e destino dos recursos, você deve saber também quando eles vêm e vão. Trata-se do equilíbrio das contas a pagar e a receber. Por exemplo: existem receitas que chegam parceladas — além de existir a necessidade de uma reserva para eventuais inadimplências. Com isso, você deve se planejar antecipadamente.

Conhecer, em detalhes, todos os aspectos da saúde financeira do seu negócio é um dos grandes desafios na administração de empresas de engenharia. No entanto, o trabalho bem realizado é também um dos mais promissores para o desenvolvimento de sua marca.

3. Use e abuse da tecnologia

Na administração de empresas de engenharia, e em qualquer outro setor produtivo, a tecnologia é fundamental. Não vivemos sem ela, atualmente, e já está mais que evidente o quanto somos impactados com o auxílio dela.

Para promover melhorias na administração de empresas de engenharia, portanto, é fundamental encontrar um sistema que ajuda a manter a produtividade em dia, bem como a organização de burocracias e também das contas da empresa.

Isso funciona com o uso de um software especializado no setor. Com um produto desses, a gestão de sua empresa ficará muito mais prática, conveniente e constantemente atualizada. Algo que se traduz também em um controle eficaz do seu negócio.

Identifique a melhor solução tecnológica para a sua empresa e que integre as informações. Assim, você tem todo o DNA de sua empresa compactado em um software que todos podem usar e tornar a comunicação empresarial mais fluída e eficiente.

4. Avalie o melhor fluxo de trabalho para as suas obras

Não pense que as mudanças se concentram apenas na teoria: a execução da obra ganha um reforço de peso quando todo o seu fluxo foi devidamente mapeado. Assim, fica fácil perceber eventuais gargalos produtivos e propor alternativas para solucioná-los antes que se tornem crônicos.

É importante ter a ciência de que as oscilações do mercado também devem ser previstas. Isso ajuda a tornar o futuro — em curto, médio e longo prazo — mais previsível. Consequentemente, o tempo de resposta é maior e ais assertivo para que o canteiro de obras nunca sofra com os fatores externos que prejudicam o desenvolvimento de sua empresa.

5. Realize uma análise de riscos

Como complemento ao que dissemos anteriormente, promova uma boa análise de riscos para o seu negócio. No que diz respeito à condução de projetos e planejamento interno, esse estudo será a base estrutural do seu negócio, para blindá-lo contra todo tipo de imprevistos.

Trata-se de uma maneira efetiva de gerar mais segurança no administrativo e também no ambiente produtivo de obras. Com todos os riscos esboçados e projetados em diferentes cenários, você e sua equipe sabem por onde se guiar diante de cada desdobramento — algo que vai tornar a administração de empresas de engenharia muito mais conveniente.

6. Tenha mais controle dos materiais

Parte intragável dos prejuízos em um canteiro de obras, os materiais são perdidos por falta de acomodações e uso negligente, entre outros fatores. Isso se contrai em consequências igualmente incômodas, como atrasos no cronograma e mais custos com a reposição deles.

Por isso, criar uma organização ímpar para armazenar os materiais é fundamental. Da mesma maneira que a construção de uma logística estratégica permite que a sua empresa funcione como o mecanismo de um relógio: pontual, com cada engrenagem funcionando no tempo certo. Isso facilita o dia a dia e a gestão de todas as camadas produtivas.

E trata-se de algo que também podemos avaliar como determinante na administração de empresas de engenharia: a qualidade do serviço prestado. Com todos os fatores anteriormente citados postos em prática, o seu negócio está imune à maioria dos problemas.

Assim, você e todos de sua equipe conseguem produzir com mais qualidade — seja no canteiro de obras ou no dia a dia administrativo. Uma empresa de construção civil se pauta pelo equilíbrio de ambos os setores de produção e, por isso, é importante ter toda a empresa mapeada para identificar o melhor caminho para um fluxo desobstruído e harmônico.

Com as nossas dicas, você terá muito mais controle para lidar com a administração de empresas de engenharia. Mas saiba que isso não é tudo: muitos outros detalhes compreendem a realidade de empresas do ramo — independentemente do seu porte. Por isso, convidamos você a curtir a nossa página no Facebook. Assim, você ficará por dentro, e em primeira mão, de todas as nossas dicas e novidades!

Como otimizar o fluxo de informações da sua empresa?

Muitas vezes, o aumento de produtividade não está relacionado à cobrança de sua mão de obra, mas em dispor de um fluxo de informações eficiente. Afinal de contas, quando todos entendem os processos dos quais são responsáveis, todo o fluxo de informações que os precedem cria uma coesão e harmonia que facilita a produção.

Além disso, isso faz com que exista uma troca de informações correta, entre os diferentes setores e níveis hierárquicos, permitindo um diálogo transparente e direto. Consequentemente, suas equipes realizam mais em menos tempo e com a capacidade até mesmo de reduzir os custos ao longo dos processos. É exatamente isso que veremos ao longo deste artigo.

O que você precisa saber para melhorar o fluxo de informações na sua empresa — e os seus respectivos benefícios e vantagens? Confira!

Crie feedbacks construtivos

Quando se tem um processo vertical e simplificado, toda a estrutura da empresa encontra um meio rápido e prático de dialogar. Para um gerente de obras, por exemplo, isso pode se traduzir em mais conveniência e objetividade para emitir feedbacks construtivos.

Isso porque os canais de comunicação já são estabelecidos e favorecem o contato imediato com a equipe. Algo que funciona nas duas mãos: da gestão para os colaboradores e vice-versa. Quando o fluxo de informações está bem definido, a comunicação é um dos pontos altos da empresa, que ajudam a tornar cada colaborador um profissional constantemente melhor.

Utilize uma ferramenta informatizada

Desde o e-mail ao uso de uma intranet acessível a todos, o fluxo de informações deve fluir melhor quando todos os colaboradores possuem, não apenas a acessibilidade para entrar em contato com quem necessitarem, mas os melhores meios para isso. Algo que pode ser ainda mais potencializado quando, em sua empresa, existe uma solução tecnológica que integre as equipes e dados. Assim, existem menos obstáculos entre as pessoas e o objeto de discussão, facilitando a visualização do tema em debate.

Mapeie os processos para otimizar o fluxo

Para absorver algumas das características que abordamos até aqui, é importante conhecer a performance comunicativa de sua empresa. Ou seja: como ela funciona atualmente.

Por isso, vale a pena entender como o fluxo de informações da sua empresa funciona, fazendo um mapeamento de todos os processos e como eles dialogam com todas as etapas produtivas da empresa. Portanto, saber a importância do fluxo de informações passa, necessariamente, pela compreensão do seu processo atual e de quais gargalos e qualidades podemos extrair deles.

Construa novos fluxos de trabalho

Com o mapeamento que citamos anteriormente, é possível identificar diversos aspectos que ajudem a tornar os processos ágeis e versáteis, dos quais podemos trazer mais flexibilidade para os funcionários se comunicarem com facilidade. Inclusive, soluções mobile tornam o diálogo interno mais eficiente. Pense, por exemplo, em como um sistema integrado e móvel pode desconstruir barreiras comunicativas entre o seu escritório e a administração presente em um canteiro de obras.

Prepare sua equipe para o uso de novos processos

Não há mudança tecnológica que se sustente sem antes contar com a compreensão, apoio e esforço dos seus colaboradores. Para tanto, é fundamental desenvolver um diálogo claro e que evidencie o impacto positivo dessas mudanças.

Vale lembrar que somos naturalmente resistentes a transformações. Afinal de contas, elas modificam — muitas vezes revolucionam por completo — procedimentos dos quais já estamos acostumados. Dessa forma, a gestão deve repassar os objetivos e conquistas decorrentes dessas mudanças e capacitar os colaboradores para que a transição ocorra sem percalços e com muito mais fluidez.

Analise e exponha os resultados das mudanças

Um novo ou remodelado fluxo de informações deve se mostrar eficaz. Para isso, um panorama do processo anterior e do atual deve ser realizado, de modo que todos percebam os aspectos positivos da mudança.

Ao obter um modelo de gestão tecnológico que facilite o fluxo de informações, isso se torna evidente e mais prático de apresentar. Como exemplo, podemos citar o tempo que sua equipe levava para concluir determinada tarefa e guiá-la à etapa seguinte e o tempo que ela leva atualmente.

Ou mesmo a quantidade de problemas específicos nessa transição de etapas, e na quantidade atual com o a otimização do fluxo de informações (por meio do mapeamento) e as soluções encontradas. Dessa maneira, você afrouxa a resistência dos colaboradores, torna-os mais produtivos e motivados — já que resultados melhores aparecerão — e a sua empresa só tem a se beneficiar amplamente dessa solução.

Veja como a tecnologia auxilia no fluxo de informações

Deu para ter uma boa ideia da relevância em otimizar o fluxo de informações e os meios iniciais para atingir esse objetivo? Para que você obtenha essa valiosa transformação comunicativa em sua empresa, que tal saber mais a respeito do software de gestão da 90 TI?

Com ele implantado nos processos de sua empresa, você conta com uma solução digital que integra, entre todos os setores, as informações pertinentes a cada um deles — como o material em estoque para um projeto, por exemplo. Assim, você minimiza os erros na troca de informações e agiliza o processo.

Além disso, a comunicação interna é promovida com qualidade, pois a integração de dados permite que todos entendam o fluxo produtivo como um todo e traz mais comodidade para que os responsáveis dialoguem e entendam as necessidades do outro, reduzindo os gargalos. Com as informações centralizadas dessa maneira, por um eficaz sistema de ERP com módulos integrados, todos em sua empresa — e também os seus clientes e fornecedores — têm muito a se beneficiar desse exponencial avanço tecnológico.

Quer saber mais a respeito desse tipo de solução e as vantagens personalizadas que ela pode trazer para a realidade do seu negócio? Então, entre em contato com a gente para desenharmos, juntos, a estratégia mais eficiente para promover o fluxo de informações de sua empresa!

Como integrar os setores de uma empresa de engenharia?

Hoje em dia, vantagem competitiva é um termo muito presente em empresas de todos os portes e segmentos de atuação. Acontece que, muitas das soluções para isso, são pensadas externamente — como campanhas para atrair novos consumidores. Mas na verdade, deve também existir um esforço interno e que seja potencializado pela eficácia da integração dos setores de uma empresa.

Essa postura pode trazer resultados promissores porque minimiza as competições desleais, estimula o desenvolvimento do trabalho em equipe e coloca todos na empresa em busca dos mesmos objetivos. Além disso, também humaniza as relações em sua empresa.

Você sabe como a integração dos setores de uma empresa pode ser o diferencial que faltava para gerar uma definitiva vantagem competitiva? Acompanhe!

O que significa a integração de setores de uma empresa?

Se você se identifica com o isolamento de áreas em sua própria empresa, onde ninguém conhece o processo produtivo do outro e, constantemente, percebe-se um abismo entre as necessidades de cada setor, é um sinal evidente de que não existe uma colaboração entre as áreas. Isso dificulta o planejamento e a tomada de ações para desenvolver qualitativamente a marca. Para você que ainda está se questionando a respeito da importância em trabalhar com a integração dos setores de uma empresa, vale entender que ela é muito benéfica por vários motivos. Um deles é:

Estabelecer a cultura organizacional da empresa

Basicamente, trata-se da construção de uma identidade e a promoção dela para todos os seus colaboradores. Com isso, ocorre mais diálogo, interação e compreensão a respeito do funcionamento da empresa como um todo.

Dessa maneira, as pessoas se ajudam, ouvem e trabalham coletivamente. Todos entendem o ciclo produtivo da empresa e deixam de culpar uma área, em especial, por algum problema, envolvendo-se como podem para solucioná-lo. Entretanto, para trabalhar os setores de uma empresa dessa maneira, é importante que algumas etapas sejam alinhadas para garantir essa transição de maneira prática e assertiva, como veremos a seguir.

Como fazer essa transição?

Tudo se inicia com um bom planejamento. Ou seja: identifique todas as etapas produtivas da empresa e avalie onde existem esses gargalos comunicativos.

A partir daí, podem ser elaboradas as ações mais convenientes para promover essa transição, em que são levadas em consideração as necessidades de cada departamento e o devido alinhamento com os objetivos da empresa. Para obter mais sucesso nesta etapa, é necessário contar com a colaboração de todos os envolvidos a pensar de maneira coletiva e não individualizada apenas em seu setor.

O processo seguinte consiste em otimizar o processo comunicativo — veremos mais a respeito de soluções tecnológicas que proporcionam esse resultado com eficiência — e em construir essa cultura de relações em todos os departamentos e níveis hierárquicos. Com toda a estrutura já planejada e alinhada para unir os setores de uma empresa, é hora de observar algumas ações que se traduzem em ótimos resultados para isso.

Envolva o RH no processo de integração

É nítida a importância em contar com o departamento de RH para centralizar e distribuir essa integração entre os setores de uma empresa. Com isso, é relevante que o setor capaz de dispor de todas as informações e objetivos dessa integração seja o RH, ajudando a sanar dúvidas, facilitar a transição e contribuir com a manutenção desse processo por meio do monitoramento constante da eficácia da integração.

Saiba a importância de uma meta coletiva

Como destacamos anteriormente, colocar um objetivo em comum para toda a empresa é a melhor maneira de erradicar as competições desleais ou as ações individualistas. Afinal, quando todos devem correr atrás das mesmas metas, não há por que individualizar as ações.

Por isso, é crucial que, no planejamento estratégico, conste a elaboração das estratégias e os objetivos a serem atingidos com cada ação. Idealmente, apenas os gestores sabem quais são e devem repassá-las aos seus colaboradores para que todos ajam em conjunto. Portanto, esse diálogo efetivo faz com que todos saibam qual papel desempenhar ao longo do período, para atingir os resultados pretendidos.

Entenda a relevância do endomarketing no processo

O endomarketing é uma eficaz tradução da integração de setores de uma empresa. Afinal, ele também é conhecido como “marketing interno” e o conceito prega justamente a criação de valores para preparar o terreno a ser explorado no cumprimento de metas. Quando o alinhamento e os objetivos são definidos, o endomarketing coloca os líderes de cada setor em ação. Assim, ele visa a construção de ações que foquem no desenvolvimento de suas respectivas áreas, mas em alinhamento com as ações de outros departamentos.

A integração dos novos colaboradores

Talvez esta seja a ação mais popular para integrar os setores de uma empresa. Isso porque, quando os colaboradores são apresentados e conhecem cada departamento da empresa, eles também avaliam melhor o fluxo de trabalho como um todo.

Consequentemente, ao iniciar o seu trabalho, ele já sabe quais ações precedem a sua e quais processos virão após a conclusão do seu trabalho. Isso permite uma integração maior, uma compreensão eficiente do que fazer ou não fazer e quais podem ser os problemas decorrentes de cada etapa produtiva — o que facilita a tomada de decisão para solucioná-los.

O job rotation (rotação de colaboradores) na empresa

Quer solução mais prática para gerar a compreensão de seus semelhantes do que fazê-los experimentar tudo aquilo que você vivencia? Uma solução que tem se tornado popular é o job rotation, que coloca os colaboradores para desempenhar outras atividades na empresa, além das suas, por um período determinado. Assim, ele compreende na prática tudo aquilo que cerca as suas atividades e quais os desafios enfrentados no dia a dia.

Promova eventos internos

Pode ser algo simples ou uma festa de fim de ano, por exemplo, mas o importante é fazer com que as áreas interajam mais fora do convívio corporativo. Isso ajuda a estreitar os laços e a desenvolver relações pessoais, que tornam o ambiente de trabalho mais leve, dinâmico e harmônico.

Use tecnologias para melhorar a comunicação

Por fim, os softwares de gestão são uma das tecnologias que têm atribuído múltiplas facilidades para integrar os setores de uma empresa. Isso porque ele coloca na tela do computador ou do seu dispositivo móvel todo tipo de informação relevante ao processo de trabalho. Assim, existe menos cobrança, mais compreensão e um dinamismo melhor para se comunicar e avaliar as melhores alternativas para cada novo desafio que surgir.

Quais são os maiores desafios encontrados para integrar os setores da sua empresa? Compartilhe no campo de comentários deste post!

Saiba como usar 6 novidades da construção civil

Em outro post, nós comentamos que existem diversas tecnologias na Construção Civil que merecem a nossa atenção. Como um complemento, elaboramos um novo artigo, mas agora visando aplicações cotidianas de algumas tendências do setor. Dessa maneira, você consegue aproximar a sua empresa da qualidade tão almejada no dia a dia, como agilidade, economia e produtividade.

Quais seriam as novidades da construção civil que podem fazer parte de sua realidade o quanto antes? Siga as 6 dicas que abordaremos ao longo deste artigo!

1. Uso de redes sociais na Construção Civil

Pode não ser uma novidade, mas as redes sociais são uma tendência que chegou para ficar e revolucionar a qualidade do serviço prestado pelas empresas. Afinal de contas, elas fazem parte de nossas vidas pessoal e profissional atualmente e as grandes marcas já se atentaram a isso.

Toda empresa relevante tem se preocupado em marcar forte presença digital naquelas que os seus consumidores mais utilizam. Por isso, é importante compreender o poderio dessas ferramentas tecnológicas e como explorar cada um de seus principais recursos on-line para se relacionar com o público-alvo de sua empresa.

Por que as redes sociais devem ser consideradas?

Além de abrir espaço para interagir com os seus clientes, diversificar os canais de comunicação e divulgação, elas também podem gerar soluções para o seu negócio de outras formas. Veja alguns exemplos:

  • Colocam o seu negócio na rede, ajudando a moldar a sua empresa de acordo com as grandes tendências tecnológicas e conferindo mais agilidade e dinamismo à companhia;
  • Ajudam a identificar o público-alvo de sua marca que, consequentemente, transforma-se em oportunidades de relacionamento e de negócios. Dessa forma, você aprenderá quais são os grandes problemas enfrentados pelo seu consumidor — e aprenderá a solucioná-los;
  • Permitem uma interação mais ágil, objetiva e prática, pois é o local para atender a solicitações, tirar dúvidas e solucionar qualquer tipo de problema que estiverem enfrentando;
  • Estruturam a sua empresa como autoridade em seu ramo de atuação, já que as suas postagens devem ser relevantes para os usuários que seguem as suas páginas. Assim, quanto mais relevante os conteúdos apresentados, mais eles se lembrarão de você.

É de suma importância que essa atualização de conteúdo seja feita com periodicidade e constância. Afinal de contas, é a velocidade das interações on-line que têm nos forçado a seguir para gerar vantagem competitiva.

No entanto, lembre-se: quantidade não é sinônimo de qualidade. Entenda os desafios e problemas do seu público e use esses canais para se mostrar atento a ele.

2. Comunicação e tecnologia móvel nos projetos

Como mencionado acima, o mundo está mais on-line e dinâmico por meio dessas interações. Não à toa costumamos dizer que uma das soluções da Construção Civil está na integração de sistemas para a rápida e eficaz análise de dados.

Quem passa grande parte do seu tempo no calor dos projetos, como o gerente de obras, esse tipo de funcionalidade à disposição é determinante para conferir todo o dinamismo necessário para resolver problemas e apontar soluções para todo tipo de situação. Dessa maneira, a sua empresa passa a ser mais flexível e móvel, não tendo que se ater apenas ao escritório para lidar com os desafios do dia a dia. Com o auxílio de um tablet ou mesmo smartphones equipados com aplicativos personalizados para as suas necessidades, é possível contar com a tecnologia móvel para:

  • Otimizar a comunicação interna e externa da empresa;
  • Permite um controle absoluto e atualizado em tempo real das obras e suas etapas do cronograma;
  • Facilita o registro, solução e atendimento das ocorrências;
  • Ajuda na compilação e análise das atividades do cronograma e, também confere atenção especial às máquinas e à sua mão de obra.

3. Contrapiso autonivelante

Sua aplicação já tem quase 10 anos, mas o Brasil ainda engatinha no uso do contrapiso autonivelante, cujo material utilizado em sua composição conta com ampla fluidez. Dessa maneira, é possível acelerar em até 50% a execução de um piso, além de reduzir a necessidade de material em estoque, garantindo economia de tempo e espaço.

4. Gestão sustentável de recursos hídricos

Pode ser que a economia de recursos limitados não seja, necessariamente, uma das grandes novidades da construção civil, mas está entre as mais importantes. Isso porque vivemos um momento em que a sustentabilidade se tornou uma necessidade e não uma prática consciente para poucos.

Para as empresas, isso pode se traduzir em um grande marco positivo para a gestão de sua marca. Por isso, é importante contar com um bom planejamento focado na redução do consumo de água no canteiro de obras.

Isso pode ser feito com o uso de válvulas para minimizar a pressão de água, além de restritores para conter a vazão nas torneiras ou métodos de captação da água. Economia nos recursos por meio da reutilização também são determinantes para colocar a sua empresa em um novo — e mais elevado — patamar.

5. Rastreamento de ferramentas

Com o uso de um inventário eletrônico e o sistema de rastreamento das ferramentas fica mais fácil manter o estoque sob controle e reduzir a perda e o extravio desses itens. Afinal, diante de tais ocorrências, a perda e o extravio de estoque prejudica o cronograma e impacta no orçamento final da obra.

6. Uso de drones versáteis

Já usado nos mais diversos setores mercadológicos, os drones desempenham um papel de protagonista nas obras, sendo uma das grandes novidades da Construção Civil. Com os drones, a sua empresa oferece uma nova perspectiva para aumentar a qualidade do serviço prestado — e em tempo real! O uso de drones possibilita:

  • Monitorar o canteiro de obras;
  • Fazer um mapeamento em 3D;
  • Avaliar terrenos e as condições do canteiro.

Está inspirado para usar algumas dessas novidades na Construção Civil? Já aplica esse tipo de tecnologia em seu canteiro de obras? Comente abaixo como tem sido a sua experiência até aqui!

Deseja usufruir de outras dicas e tendências do setor que podem trazer mais vantagem competitiva à sua empresa? Basta curtir a nossa página no Facebook para ficar sabendo, em primeira mão, das grandes novidades na Construção Civil!

O que é a NR 18?

Visando segurança e planejamento focado em organização e gestão estruturada, existem diversas normas regulamentadoras que servem como parâmetro e diretriz básica para o setor de construção civil. Entre as principais, a NR 18 é, sem dúvidas, a de maior relevância e abrangência para o setor. Isso porque ela impacta diretamente nas qualidades mencionadas no trecho acima e promovem uma série de medidas e controles preventivos para tornar o canteiro de obras envolto em segurança.

Quer entender o que é a NR 18, sua relevância e as principais medidas que constam no documento? Continue com a leitura do post!

O que é e do que se trata a NR 18?

Conhecida também como a Norma Regulamentadora 18, a NR 18 coloca no papel as principais diretrizes, para que as obras sejam implementadas com um rigoroso processo de segurança, planejamento e organização. Tudo isso para garantir a integridade de todos os envolvidos: dos trabalhadores ao resultado final dos projetos arquitetônicos. Isso significa que a NR 18 tem como principais objetivos:

  • Priorizar a saúde de sua mão de obra;
  • Garantir as atribuições e responsabilidades a cada pessoa;
  • Colocar em pauta todos os riscos previstos durante sua execução;
  • Atribuir medidas de prevenção e proteção;
  • Reduzir o risco de acidentes na construção civil.

Sendo um segmento cuja ocorrência de acidentes gira em torno de 355 mil ocorrências fatais ao ano — segundo estimativas da Organização Internacional do Trabalho (OIT) —, nota-se a importância da NR 18 para reduzir gradativamente esse trágico índice.

Aspectos que a Norma Regulamentadora 18 se pauta

Elevadores

Concentra informações relativas à segurança no uso de elevadores durante a obra, como a qualificação de quem os instala, sua montagem, desmontagem e sua devida manutenção.

Torres de elevadores

No documento, consta que as torres devem contar com um dimensionamento apropriado às cargas carregadas, seguindo também as exigências apontadas no tópico anterior.

Transporte de materiais

A começar pela proibição de passageiros nos elevadores destinados ao transporte de materiais. Além disso, a NR 18 trata da segurança do operador (que deve estar protegido de eventuais quedas) e também dos itens de segurança do elevador:

  • Sistema de frenagem automático;
  • Segurança eletromecânica.

Sinalizações devem ser espalhadas também e em todos os pavimentos, para conferir mais segurança a quem estiver transitando por perto do elevador.

Transporte de passageiros

Para edifícios com mais de 12 pavimentos (ou que possuam altura equivalente), prega-se a presença de um elevador que percorra a estrutura em toda a sua verticalidade. Entre os dispositivos de segurança, constam:

  • Interruptor nas extremidades da torre, com freio automático eletromecânico;
  • Sistema de frenagem automático;
  • Mecanismo de segurança que impede o choque da cabine no topo da torre;
  • Elevador só deve funcionar com as portas fechadas.

Andaimes

Para os andaimes, a NR 18 atesta que:

  • Eles devem ser dimensionados por profissionais habilitados;
  • Deve ser considerada as cargas carregadas;
  • O piso deve ser forrado com material antiderrapante e nivelado.

Além disso, a NR 18 confere requisitos de segurança para andaimes de variados tipos de fixação, como:

  • Apoiados;
  • Em balanço;
  • Fachadeiros;
  • Móveis;
  • Plataformas de trabalho;
  • Suspensos mecânicos e motorizados.

Quais as exigências da NR 18?

Para que não ocorram acidentes e que as exigências sejam cumpridas, é necessário comunicar à Delegacia Regional do Trabalho algumas informações que serão determinantes para o desenvolvimento da obra, como:

  • O endereço da obra;
  • O endereço e a qualificação do contratante;
  • O tipo de obra que será realizada;
  • As datas de início e conclusão da obra;
  • A quantidade máxima de colaboradores trabalhando no projeto.

Ou seja: mais medidas de segurança que contribuem com um projeto harmônico e blindado aos principais riscos que podem acometer uma obra.

Como fazer um plano de cargas baseando-se na NR 18?

No Anexo III da NR 18, estão descritas todas as informações de segurança que não podem faltar no plano de carga para gruas. Afinal de contas, trata-se de um elemento que não pode ter margem para qualquer tipo de erro.

Inclusive, o Anexo III concentra todo tipo de garantia à segurança dos profissionais e respectivos equipamentos que estão, direta ou indiretamente, envolvidos com o trabalho de elevar cargas. Neste caso, o gerente de obras deve conferir a relevância de cada exigência, bem como o cumprimento de cada uma delas para que o seu canteiro de obras seja mais imune aos riscos dos quais a sua equipe pode estar exposta. Assim, neste documento focado no plano de cargas, é importante que conste:

  • Todos os dados relativos aos locais de instalação de cada um dos equipamentos;
  • Todos os dados sobre a empresa que está à frente daquela obra — isso inclui a sua razão social, o endereço onde está baseada a empresa, o CNPJ, o endereço de e-mail e telefone de contato e, principalmente, aquele considerado o Responsável Técnico pelo equipamento, tendo também o seu número do registro no CREA;
  • Os dados relativos aos equipamentos utilizados na obra;
  • Os sistemas de segurança adotados e implementados;
  • A devida qualificação do pessoal técnico que vai operar os equipamentos;
  • Todas as responsabilidades relativas à condução da obra;
  • O plano de manutenção e ajustes dos equipamentos;
  • A presença da documentação obrigatória no canteiro de obras.

Isso significa que existem diversos pontos a serem considerados, abordados e implementados para que o seu canteiro de obras seja um exemplo de profissionalismo, com segurança, produtividade e todas as exigências cumpridas, de acordo com o que prega a NR 18.

Ficou com alguma dúvida a respeito da NR 18 e a sua importância no canteiro de obras? Compartilhe no campo de comentários!