Ícone do site 90 TI

PIX: tudo sobre o novo meio de pagamentos instantâneos

PIX

Criado para substituir o TED e o DOC, o PIX já está funcionando desde o dia 16 de novembro. Veja detalhes!

O PIX chegou para mudar a maneira como os meios de pagamento acontecem no Brasil inteiro. Desde segunda-feira (16 de novembro) o novo método de pagamento on-line criado pelo Banco Central está ativo. Desde 2018, o Banco Central vinha estudando uma forma de implementar um sistema de pagamentos como alternativa para o TED, DOC, para pagamentos por boletos e transações com dinheiro.

Tem dúvidas sobre como vai funcionar o PIX? Preparamos um guia com tudo o que você precisa saber sobre esse novo método de pagamentos!

O que é PIX?

O PIX é um novo meio criado pelo Banco Central para facilitar e agilizar o processo de pagamento em transações financeiras. As grandes diferenças são a rapidez e a disponibilidade deste meio de pagamento: enquanto hoje existem restrições de dias e horários para enviar quantias através de TED e DOC e realizar pagamentos de contas, o PIX permitirá que elas sejam realizadas a qualquer dia e horário.

Com o PIX, as transações e pagamentos serão realizados em 10 segundos, de qualquer instituição, a qualquer dia e horário, ou seja, teremos pagamentos instantâneos entre duas contas, sem intermediários, inclusive entre instituições diferentes.

Segundo o Banco Central, o PIX tem por objetivo: aumentar a velocidade com que os pagamentos e transferências são feitos e recebidos; aumentar a competitividade e eficiência do mercado; baixar o custo; segurança; promover a inclusão financeira e preencher as lacunas existentes nos meios de pagamento disponíveis atualmente.

Como surgiu o PIX?

O PIX, uma criação do Banco Central, surgiu em 19 de fevereiro de 2020 como solução para revolucionar o sistema de pagamentos nacional. O projeto foi iniciado em 2018 e estará ativo a partir de novembro deste ano.

Como o novo modelo de pagamento funciona?

Diferente das modalidades de DOC e TED, o PIX funcionará todos os dias do ano, 24 horas por dia, de forma instantânea. Dessa forma, as transações poderão ser feitas do modo tradicional com número de celular, e-mail, CNPJ, CPF ou com a leitura do QR Code. Em suma será possível utilizá-lo nas transações entre:

Este último ponto abre até a possibilidade de usar o PIX como ferramenta de pagamento de impostos e taxas obrigatórias.

Quais transações posso fazer com o PIX?

Para fazer uma transferência ou pagamento, será preciso acessar o aplicativo do seu banco e selecionar a opção PIX.

O PIX não é um aplicativo, ele aparecerá como uma opção dentro do próprio aplicativo do banco, assim como aparece quando quer fazer TED ou DOC. Depois, o consumidor tem a opção de escolher como deseja identificar o destinatário: Chave PIX, QR Code, NFC ou dados bancários.

O objetivo será simplificar e agilizar o processo, já que não será preciso informar agência, CPF e outros dados como funciona com a TED.

As transações do PIX poderão ser feitas do modo tradicional com número de celular, e-mail, CNPJ ou CPF, ou com a leitura do QR Code.

QR Code

No caso do PIX, a pessoa ou empresa que vai receber o pagamento deve apresentar o QR Code para quem vai pagar, que pode ser lido por qualquer smartphone. Há dois tipos de códigos QR, segundo o Banco Central:

QR Code estático: será possível definir um valor fixo e usar o mesmo código várias vezes. Usado para transferência entre duas pessoas.

QR Code dinâmico: o código dinâmico pode ser usado para pagamento de compras e transações comerciais, já que permitirá incluir informações exclusivas de cada transação.

Chave PIX

As chaves PIX são apelidos utilizados para a identificação da conta do recebedor. Assim, ao invés do usuário informar o banco, CPF, nome completo, número a agência e da conta, basta informar uma das chaves do recebedor
Poderão ser adicionadas quatro tipos de chaves PIX a uma conta: CPF ou CNPJ, e-mail, número de telefone celular ou a chamada chave aleatória.

Quem poderá utilizá-lo?

Qualquer pessoa física ou jurídica que tenha conta em uma das instituições financeiras cadastradas para operar com o PIX poderá utilizar o sistema de pagamentos.

Para Utilizar o PIX o cliente deverá informar qual chave vai querer usar. Ela funcionará como código identificador do usuário dentro do sistema para receber e enviar quantias.

O cadastro no PIX é obrigatório? Para pessoas físicas e empresas não financeiras, o cadastro não é obrigatório.

Quais instituições financeiras o oferecerão?

Bancos ou aplicativos de carteiras digitais com mais de 500 mil contas são obrigados a ofertarem o PIX.

Como é o funcionamento das chaves PIX?

São uma forma de identificar o usuário dentro do sistema. Cada pessoa física poderá ter até cinco chaves por conta da sua titularidade, e cada pessoa jurídica até 20 chaves.

Não será possível cadastrar a mesma chave para contas diferente, uma vez que o código vai funcionar como o endereço de entrega dos valores.

Quanto custará cada transferência?

O PIX será gratuito para pessoas físicas, seja para a transferência ou pagamentos em estabelecimentos.
Os valores cobrados não terão interferência do Banco Central.

Para lojistas, quando receber pagamento via PIX será sujeito a taxas bem menores dos que as que são cobradas atualmente. As instituições financeiras que vão decidir quanto cobrar e os estabelecimentos poderão escolher as taxas que julgam mais justas para operar.

Para os bancos e fintechs, o custo será de 0,01 centavo a cada 10 transações, apenas para ressarcimento dos valores necessários para manter a operação.

O que esperar do PIX na área da Construção Civil?

Como é uma ferramenta que ainda não está disponível para uso, não é possível determinar, nesse momento, um limite que os avanços nos pagamentos instantâneos podem trazer para o setor. Mas quais são as principais facilidades que podemos esperar?

Como você pôde conferir, são muitas as novidades em relação ao PIX. O novo método de pagamento do Banco Central chegou para revolucionar o modo como fazemos pagamentos e transferências.

Aqui no blog da 90 você confere diversos conteúdos sobre a área da engenharia. Não deixe de conferir!

 

Sair da versão mobile